Conecte-se agora

Sociedade

Director de Escola no Cazenga usa Gabinete para Estupro

A situação está a chocar a vizinhança que considera, segundo fonte deste jornal, deplorável em função da condição quer do professor quer da aluna que despoletou o caso, desconfiando a existência de mais meninas vítimas do estupro.

Vasco da Gama

Publicados

on

- violacao1 - Director de Escola no Cazenga usa Gabinete para Estupro

Um dos directores do Complexo Escolar Polivalente Chiwane, sito no Bairro dos Combustíveis, ao Cazenga, em Luanda, está a ser citado como tendo estuprado uma menina, sua aluna no caso, de catorze anos.

Ruth Muntu Mbassi, a menina estuprada, faz parte de uma família cristã, o que aumenta, ainda mais, o choque na família. Uma das irmãs da vítima, por exemplo, Priscila Muntu Mbassi, de 22 anos, que descobriu o estupro diz que passou a desconfiar que alguma coisa estivesse estranha com a sua irmã, pois, refere, esta passou a apresentar comportamentos anormais, essencialmente, quando viesse da escola.

O professor a quem atribuem o alegado estupro chama-se Receado Infeliz Salvador, de 28 anos que já se encontra detido no Comando Municipal do Cazenga segundo se pode notar no processo nº 8827/19 CZ.

Os familiares relatam que o estupro começou há coisa de dois anos, quando a menina tinha catorze anos. “O professor começou a estuprar a menina há muito tempo. Só agora falamos com ela, depois de revelar comportamento estranho, e confirmou isso mesmo. Disse que namoravam no gabinete do director todos os dias, depois das aulas e quando os demais alunos fossem”, referiram.

A irmã da Ruth diz que o professor se aproveitava da menina e passou a fazer sexo oral, anal e vaginal durante estes anos todos e tudo ocorria depois de obrigar a menina a fazer uso de bebidas alcoólicas, mormente, a “booster” mediante promessas de bens materiais e aprovação automática.

O Correio da Kianda tudo fez para ouvir a parte do professor em referência mas todos os esforços caíram em saco roto. No entretanto, uma fonte próxima ao mesmo confidenciou a nossa reportagem que as acusações que pesam contra seu familiar não fazem sentido porquanto eles passaram a namorar e, por isso, não entende os reais motivos da sua detenção. Acrescenta que a menina confirma a relação amorosa e diz que gosta do professor como namorado, sublinhou!

Refira-se que a ocorrência de actos similares, fundamentalmente, no seu escolar, familiar e religiosos tem estado a preocupar a sociedade no geral ao entender que estes meios deveriam ser os que proporcionam tranquilidade, irmandade e sociabilidade, contrariamente ao que ocorre hoje, um pouco pelo País.

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (268)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (16)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (17)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (65)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (7)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação