Connect with us

Sociedade

Descargas em Laúca levam populares a abandonarem suas casas

Published

on

Um total de 4046 populares que habitam nas margens do rio Kwanza, em  Massangano, município de Cambambe, província do Cuanza Norte, começaram a abandonar as suas residências para evitar riscos de inundações que podem decorrer das descargas das albufeiras das barragens de Laúca e Cambambe.

Segundo escreve a imprensa local, trata-se das localidades de Carinda, Ngolo, Cambondo, Cassequel, Kixingango, Lola, Maculumbi, Mulende e Musseque Cariapuco.

A informação foi prestada esta sexta-feira, no Dondo, pelo administrador municipal de Cambambe e coordenador da comissão local de protecção civil, Adão António Malungo.

Segundo o responsável, a administração está desprovida de meios para acudir aquela população, que aguardava apreensivamente pelo momento da abertura das comportas das barragens de Laúca e Cambambe.

No total, 674 residências e igual número de famílias dessas localidades poderão ser afectadas pelas  inundações.

Por falta de meios de acolhimento na área, muitos populares estão a abandonar,  por conta própria, as suas  habitações e estão a ser alojados temporariamente em casas de parentes ou arrendadas, no Dondo, sede do município.

Desconhece-se, até agora, o número de populares que já deixaram as localidades com riscos de inundações.

A abertura das comportas das duas barragens estava prevista para quinta-feira antes de ser reagendada para sexta-feira.

Estas descargas acontecem todos os anos, entre Outubro e Abril, com vista à regularização do volume de água nas barragens, mantendo a quantidade suficiente para o seu normal funcionamento.

Em 2023, mais de oito mil populares viram as suas residências e campos de cultivos inundados, por causa das cheias do rio Kwanza, provocadas pelas descargas das albufeiras das referidas barragens.

Colunistas