Connect with us

Politica

Deputado da UNITA afirma que o país continua a ser governado de forma paliativa

Published

on

Depois de ter deixado o Município de Bellas, para assumir os destinos Políticos do seu Partido em toda região de Luanda, Manuel Armando Ekukui, também conhecido por Nelito Ekuikui,  tem estado a percorrer pelos bairros periféricos da capital, fazendo visitas de constatações, onde segundo o mesmo, a vida das populações continua cada vez mais degradada, e as condições sociais, tendem a piorar a cada dia que passa.

Em entrevista ao Correio da Kianda, o Jovem Político fez menção de várias localidades por ele percorrido, onde destacou, o distrito urbano do Rangel, como sendo um dos que mais precisa de uma intervenção em termos de saneamento básico, e as ruas do Bairro Precol, que quase, todas elas encontram-se intransitáveis, em função das águas paradas, que para além de estar apoquentar os populares que ali vivem, tem sido um dos principais atentados, a saúde pública naquela zona. Diante destas realidades sociais apuradas pelo Politico, Ekuikui, considera a Governação de João Lourenço, como sendo “palhativa” uma vez, que segundo o Politico, o Presidente tem estado a preocupar-se mais com o “charme” Politico, do que propriamente, com a vontade de resolver as necessidades dos cidadãos.

“ Daquilo que é o levantamento social que temos estado a fazer, temos estado a constatar, que aqui mesmo em Luanda, ha famílias que não conseguem ter uma refeição por dia, e a degradação social, eleva-se a cada a dia, e isto é duro, quando temos um Pais rico, e um Governo que quase nada faz. Disse!

Apesar das criticas, o Deputado reconhece algum esforço que têm sido empreendidos por parte do Presidente da República, mas ainda assim, para o Politíco da UNITA, os indicadores sociais no País, têm estado a registrar valores preocupantes, nomeadamente no sector da Saúde, Educação, Nutrição, água e saneamento, determinados pelo deficiente acesso aos serviços sociais básicos.

“ A pobreza em Angola esta cada vez mais a aumentar, não há aqui um compromisso sério das autoridades para combater a pobreza nas comunidades. Afirmou!
Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *