Connect with us

Politica

David Mendes diz que 900 mil kwanzas “não é um grande salário” para os deputados

Published

on

O deputado e advogado David Mendes foi o convidado desta quarta-feira, 28, no espaço “Discurso Directo”, da Rádio Ecclésia, conduzido pela jornalista Esmeralda Chiaca, onde, de entre os vários temas abordados, o salário dos deputados foi uma das questões que não ficou de parte.

Em resposta á questão feita pela apresentadora do espaço relacionada ao salário dos deputados à Assembleia Nacional, David Mendes considerou os 900 mil kwanzas, como não sendo um grande salário.

“Quando se diz que os deputados ganham bem, 900 mil kwanzas, não é um grande salário”, disse, o também jurista, David Mendes.

Questionado se era ou não alguma coisa comparado com alguém que ganha 15 mil kwanzas, David Mendes saiu em defesa dos que ganham menos, apelando a subida de salário dos que ganham um salário inferior ao mínimo actual.

“O problema não é quem está a ganhar mais, o problema é quem está a ganhar menos. Os debaixo têm que subir os seus salários”, apelou.

Convidado a pronunciar-se sobre o surgimento dos novos partidos no actual cenário político, com destaque ao partido “Esperança” de Mfuca Muzemba, David Mendes, no seu entender, acredita que até ao pleito eleitoral, previsto para o próximo ano, nenhum Partido Político novo poderá ser reconhecido.

“Eu acho que até as eleições, nenhum outro partido político será reconhecido. E se partirmos de uma análise muito realista, quem chumba o PRA-JA, de Abel Chivukuvuku, uma pessoa que tem seguidores reais, e não abstratos, como é que você vai fazer partidos, de pessoas que não seguidores reias?”, questiona-se o político.

David Mendes, que admite ser um apoiante do Presidente João Lourenço no combate à corrupção, considerou ainda a denominada “Frente Patriótica” liderada pelos políticos Abel Chivukuvuku, Adalberto Costa Júnior, Filomeno Viera Lopes e Justino Pinto de Andrade, “como sendo uma fantasia”.

“Em política, não basta fantasia, é preciso realismo”, fez saber.