Connect with us

Sociedade

Cunene: Tribunal da Okwanhama acusado de forjar provas contra analista da Rádio Ecclesia 

Published

on

Trata-se do analista Gerónimo António que acusa o tribunal de comarca do Município da Okwanhama, na província do Cunene, de ter forjado prova para o incriminar, num caso em que a ex-mulher o acusa de abusar sexualmente a sua ex-enteada.

A acusação surge depois de o analista ter estado detido por uma semana, na sequência de uma acta, o seu advogado começou por dizer que o seu constituinte foi retirado da cadeia a madrugada fazendo-o assinar uma segunda acta, no dia 25 de Abril, sem conhecimento e consentimento dos seus advogados, para decretar a sua detenção, depois de já ter havido uma no dia anterior com declarações testemunhadas pelos advogados e pelos oficiais de justiça.

“É que para adicionar ou aplicar a medida de coação pessoal, também tiveram que alterar as declarações do arguido, no sentido de sustentar a decisão. Onde o arguido negava colocaram que aceitava parcialmente, onde o arguido dizia ‘não’, colocaram ‘sim’, onde dizia ‘sim’ colocaram ‘não'”, acusa, sustentando que o acto foi não apenas de sustentar a medida de coação, mas sobretudo de forjar provas contra o seu constituinte.

O advogado, Tomás Xavier, questiona as razões dessa decisão por parte do tribunal naquela região do país.

Gerónimo António foi acusado de ter abusado sexualmente da filha da sua antiga esposa, de 13 anos de idade, de quem está separado há nove anos.

Neste momento, de acordo com o advogado, está a decorrer o processo de instrução preparatória, a espera dos procuradores do Serviço de Investigação Criminal.

De acordo ainda com Tomás Xavier, o tribunal tentou alterar as provas, adulterando as declarações do constituinte, na acta em que ficou decidido que aguardaria o julgamento em liberdade, e depois ser apresentada uma outra em que o incrimina.

A adulteração das declarações, avança o advogado, ocorreu durante o tempo em que o analista ficou preso na cadeia do Peu-Peu, em Ombanja.

Já o padre Gaudêncio Félix Yakulengue, director da Rádio Ecclesia, disse esperar das autoridades, a verdade dos factos.