Connect with us

Mundo

Cuba: Miguel Díaz-Canel, confirmado para a sucessão de Raúl Casto

Published

on

A Assembleia Nacional de Cuba indicou nesta quarta-feira (18/04) o vice-presidente Miguel Díaz-Canel para substituir Raúl Castro na presidência do país. A saída do atual presidente representa o fim da era Castro, cuja família esteve há quase seis décadas no poder.

Díaz-Canel lidera a proposta da Comissão de Candidaturas Nacionais (CCN) para a formação do principal órgão de governo do país, o Conselho de Estado. A proposta será agora submetida à votação da Assembleia recém-constituída, e o resultado deverá ser apresentado nesta quinta-feira.

O anúncio ocorreu logo após o início da reunião de dois dias da Assembleia Nacional para eleger o sucessor de Castro, de 86 anos. Após a leitura da proposta de candidaturas, os 605 deputados dedicaram ao até agora número 2 do regime uma longa salva de palmas.

Díaz-Canel, de 57 anos, tornou-se braço direito do actual presidente em 2013. Sua indicação para assumir o governo já era esperada. Como ele foi o único indicado, sua eleição é uma mera formalidade. Díaz-Canel já foi ministro da Educação Superior e aparentemente segue uma linha liberal do socialismo. Ele é considerado uma aposta segura para herdar o mandato de Castro e de outros líderes da revolução.

O engenheiro nascido após a revolução deverá prosseguir a “actualização” do modelo económico da ilha, que foi esboçada por Raúl Castro. Pela primeira vez, o presidente do regime cubano será uma pessoa que não participou da revolução de 1959, não envergará a farda verde-oliva e não dirigirá o Partido Comunista Cubano (PCC). Ele contará, porém, com o apoio de Castro, que se manterá na liderança do poderoso partido único até 2021.

Como primeiro vice-presidente do Conselho de Estado, a CCN propôs o veterano dirigente Salvador Valdés Mesa, de quase 73 anos, membro do politburo do Partido Comunista de Cuba e que ocupava até agora uma das cinco vice-presidências do órgão. Se for confirmada a nomeação de Valdés Mesa, esta será a primeira vez em que Cuba terá um primeiro vice-presidente negro, o cargo mais alto a ser ocupado por um afrodescendente na história do país.

A sessão parlamentar, realizada no Palácio de Convenções de Havana, começou presidida pela titular da Comissão Eleitoral Nacional, Alina Balseiro, como responsável do órgão que representa a Assembleia Nacional entre períodos de sessões. Castro, que foi recebido com uma ovação, compareceu ao ato acompanhado de Díaz-Canel, ambos vestidos de terno e gravata.

A abertura da nona legislatura de Cuba e a instalação da Assembleia Nacional, resultante das eleições gerais de 11 de março, começou com a leitura dos nomes, um a um, dos 605 deputados eleitos em todo o país.

Apesar de a votação para eleger o presidente acontecer nesta quarta-feira, o resultado deve ser anunciado somente na quinta-feira, no aniversário de 57 anos da invasão da Baía dos Porcos, quando em 1961 a CIA tentou derrubar o líder da revolução de 1959, Fidel Castro. Havana proclamou esse episódio como a primeira grande derrota do imperialismo americano na América Latina.

Raúl Castro assumiu o poder em 2008, após Fidel, que faleceu em 2016, aos 90 anos, anunciar sua renúncia. Durante seu governo, ele reatou as relações com os Estados Unidos e realizou diversas reformas de mercado no país.

Juntos, os irmãos governaram a ilha por quase 60 anos. Durante este período, Cuba tornou-se um dos actores principais da Guerra Fria e manteve o comunismo à tona mesmo depois do colapso da União Soviética.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *