Connect with us

Destaque

Crédito mal parado ensombra 100 dias de trabalho da Administração do BPC

Published

on

Duzentos e 31 mil milhões de kwanzas é o valor da carteira de crédito mal parado (saneamento) que Banco de Poupança e Crédito (BPC) prevê vender à Recredit, no âmbito do plano de recapitalização da instituição financeira.

No âmbito deste processo de reestruturação do banco público, o BPC vai implementar o programa de aumento do capital social por subscrição de acções ordinárias pelos accionistas, no montante de 90 mil milhões de kwanzas, assim como a emissão de instrumentos de dívida subordinada convertível elegíveis para fundos próprios base avaliada em Akz 72 mil milhões, respectivamente, segundo o presidente do Conselho de Administração do BPC, Ricardo Viegas de Abreu.

O gestor, que falava durante uma conferência de imprensa sobre os 100 dias de trabalho deste conselho, considerou o plano de recapitalização do BPC como um conjunto de iniciativas que visam assegurar a manutenção de uma posição financeira sólida e de um nível de rentabilidade sustentável e adequado ao perfil de risco do banco.

Ainda em relação ao crédito malparado, o responsável sublinhou que a recuperação deste valor depende, grandemente, da aceleração económica, tendo em conta que maior parte dos credores perderam a capacidade financeira devido a situação conjuntural que o país atrvessa.

Apontou, por outro lado, o Plano de Acções Integrado, que visa a operacionalização do negócio bancário e a revitalização de toda a actividade comercial do banco como uma das acções desenvolvidas ao longo dos primeiros 100 dias do conselho de administração.

Deste plano, intitulado Plano de Acções Imediatas (PAI), fazem parte a organização e o capital humano, a gestão da mudança e das operações, bem como a melhoria dos níveis de serviço, a optimização dos processos de sistemas de informação, a dinamização e reorganização comercial, entre outras acções, referiu o também presidente da Comissão Executiva do BPC.

“Nestes primeiros 100 dias em funções decidimos centrar o nosso trabalho em torno de três grandes áreas, nomeadamente, a relação de excelência com o Banco Central, apostando cada vez mais na adopção das melhores práticas de governo e de compliance defendidas e aceites por toda a comunidade financeira mundial, assim como a segmentação dos clientes do BPC e foco na actividade comercial do banco”, referiu.

De acordo com o gestor, as questões relativas ao funcionamento, créditos e especifidades dos créditos, montantes e outros aspectos relativos a este processo, serão comunicados e partilhados a partir da Recredit (sociedade anónima de capitais públicos que visa recuperar o credito mal parado da banca pública, criada em 2016).

Apontou também o III trimestre de 2018 como período que será reinaugurado o edifício sede do BPC, que se encontra em reabilitação.

A estabilização, reestruturação, dinamização e controlo da actividade comercial do BPC prevê-se ser concluídas em 2018, garantiu o responsável.    

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas