Connect with us

Sociedade

“Quando as pessoas já estão bêbadas ninguém quer saber mais desse coronavírus”

Published

on

Nem mesmo com os constantes apelos por parte do Governo, as medidas de biossegurança têm sido seguidas a risca por parte de alguns cidadãos em Luanda.

No Zango, a rua da Dira e da Sagres, conhecidas e famosas como as mais movimentadas, as vendedoras feirantes que se dedicam à venda de “pincho” ou petiscos (carne grelhada) são as que mais têm estado a desrespeitar o uso da máscara, assim como as que também mais permitem aglomerados de clientes nas suas barracas, sem exigir que estes usem as máscaras de protecção.

Com o preço baixo da cerveja que se regista nos últimos dias, são várias as ruas no Zango,  para além das acima citadas, que à noite transformam-se em verdadeiras zonas de aglomerados, sem respeito aos distanciamentos físicos.

No cair da noite, a par das ruas da Dira e da Sagres, o bairro do Luanda-Limpa é uma outra zona, que, para quem lá se desloca pela primeira vez, fica com a impressão de não ter sido abrangido pelo Estado de Calamidade decretado pelo Presidente da Republica.

Segundo um jovem que falou ao Correio da Kianda sob anonimato para além de não estar a se respeitar o distanciamento físico e as medidas de biossegurança da Covid-19, em zonas muito movimentadas do Zango, as práticas de prostituição continuam a ser assentes e a serem praticadas com mais frequência.

“Eu venho todos os dias aqui na rua. Aqui, quando as pessoas já estão bêbadas, ninguém quer saber mais desse ‘mambo’ do coronavírus nem de máscaras. Por isso é que aqui está cheio e bem movimentado”, disse.

Viana é um dos municípios com maior número de casos de coronavírus. Com as práticas que têm estado a se registar, de desrespeito as medidas de biossegurança e o distanciamento físico, o risco do contagiar-se com o vírus torna-se cada vez maior, explica o professor José Francico Pedro, que também é sociólogo.

“É necessário que tanto a administração deste distrito do Zango, como a Polícia Nacional, acabem imediatamente com estas aglomerações, porque pela subida vertiginosa que tem estado a se registar em Luanda, o Zango, sendo um distrito com maior população em Viana poderá ser um Deus nos acuda”, apelou.