Connect with us

Mundo

Costa do Marfim: Alassane Ouattara concede perdão presidencial ao antecessor Laurent Gbagbo

Published

on

O Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, anunciou ontem um indulto presidencial ao antecessor e antigo rival Laurent Gbagbo, sobre quem impendia uma pena de prisão de 20 anos no seu país devido à crise pós-eleitoral de 2010-2011.

“Numa tentativa de reforçar a coesão social, assinei um decreto concedendo um indulto presidencial a Laurent Gbagbo”, anunciou Ouattara, num discurso que assinala no 62.º aniversário da independência da Costa do Marfim.

O chefe de Estado anunciou ainda que pediu que as contas de Gbagbo “fossem descongeladas e que as anuidades em atraso fossem pagas”.

Ouattara indicou ainda que assinou um decreto em que concedeu a “libertação condicional” de duas antigas figuras do aparelho militar e de segurança do regime de Laurent Gbagbo – o contra-almirante Vagba Faussignaux, antigo chefe da Armada, e o major Jean-Noël Abéhi, antigo chefe do esquadrão blindado da gendarmaria de Agban em Abidjan, condenadas pelo seu papel na crise de 2010-2011.

Laurent Gbagbo, 77 anos, absolvido em março de 2021 de crimes contra a humanidade pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, para onde foi transferido no final de 2011, regressou ao seu país em junho de 2021.

Embora nunca tenha sido preso desde o seu regresso, Gbagbo enfrentava uma pena de 20 anos de prisão na Costa do Marfim por “roubo” do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) durante a crise de 2010-2011.

A crise foi desencadeada pela recusa de Gbagbo em reconhecer a vitória de Alassane Ouattara nas eleições presidenciais no final de 2010, o que levou a um surto de violência que provocou cerca de 3.000 mortos até à detenção de Laurent Gbagbo em Abidjan, em abril de 2011.

Em outubro de 2021, Laurent Gbagbo lançou o Partido do Povo Africano-Costa do Marfim (PPA-CI, na sigla em francês), uma nova formação política pan-africanista de esquerda, anunciando a intenção de se manter politicamente activo até à sua morte.

 

C/ Lusa

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *