Connect with us

Destaque

Coronel das FAA que matou dois músicos vai a julgamento no dia 28

Published

on

O Coronel da Força Aérea Nacional André Kwenda Candiwa deverá ser julgado no proximo dia 28 deste mês,  na 13ª secção do tribunal do Golf em Luanda, depois de ter sido acusado de em Dezembro de 2016 ter morto com auxilio de arma de fogo, dois jovens músicos que saiam duma festa.

A informação é confirmada pelos familiares dos malogrados que reclamam que a justiça seja feita, e lembram mais uma vez aos angolanos, a forma bárbara como os jovens Bráulio Baltazar e Heitor Matomina Rocha, foram mortos. 

Morte de Bráulio Baltazar & Heitor Matomina Rocha.

Tudo começou quando um grupo de amigos juntaram-se no edificio 36 do Golfe2 para festejar o aniversario do amigo e colega de música Holy-Ly (Luís Gomes) no qual os malogrados faziam parte passando eles a tarde do dia 6/12/2016 até o principio da madrugada, quando as 1h30 do dia 7/12/2016 um dos amigos Chamado Kenny que morava no edifício 34 decidiu ir para casa, oferecem-se então 3 amigos para acompanhar, eram eles Holy-Ly (aniversariante) HectorKrizzy (Heitor Matomina Tocha) e Brauly-O (Braulio Baltazar) (falecidos).

Os quatro dirigiam-se para o edifício 33, passando o 34 deparam-se com o coronel #André_Kuenda (Assassino) já com a arma Aka pronta a desparar que os interpelou:
– “Afastem se não vou fazer tiros”.
Os jovens afastaram 3/4metros, tendo o Kenny reconhecido e pedido:
– “Por favor tio Kuenda não faz isso sou o Kenny amigo do seu filho Nadio”.

Teimosamente o assassino dispara 2 tiros na direção do Kenny e do Holy-Ly mas ninguém foi atingido, puseram-se em fuga, o Bráulio safou-se numa direção diferente dos outros que o senhor os perseguiu fazendo vários tiros tendo atingido primeiramente o Heitor na coluna e o levado ao chão, já o Kenny e o Holy haviam fugido.
Bráulio Baltazar na intenção de ajudar o amigo volta ao local depois de 15min tendo deparado-se com o assassino pediu:

– “Por favor não me mata, eu sou neto da Tia Rosa do prédio 36” repetiu a frase 3 vezes e mesmo assim o senhor Kuenda o assassinou barbaramente com vários disparos a queima roupa. Heitor registe até ao hospital onde acaba por perder a vida na madrugada do dia 8/12/2016. Clamamos por justiça e que não tarde o julgamento severo deste demónio.
Justiça já

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *