Conecte-se agora

Sociedade

Coréon Dú sauda descriminalização da homossexualidade em Angola

Redação

Publicados

on

coréon dú sauda descriminalização da homossexualidade em angola - Coreon Du - Coréon Dú sauda descriminalização da homossexualidade em Angola

O músico e filho do ex-presidente José Eduardo dos Santos, Coréon Dú, saudou hoje a descriminalização das relações entre pessoas do mesmo sexo em Angola, considerando que demonstra “sensibilidade social” e “maturidade cívica”.

“Fiquei a saber que, pela primeira vez desde 1886, o código penal em Angola já não criminaliza as relações entre pessoas do mesmo sexo. Confesso que não tinha esperança de ver tal acontecimento ainda durante a minha vida”, escreveu o músico, numa publicação na rede social Instagram.

View this post on Instagram

Fiquei a saber que pela primeira vez desde 1886 o código penal em Angola já não criminaliza as relações entre pessoas do mesmo sexo . Confesso que não tinha esperança de ver tal acontecimento ver ainda durante a minha vida . Desde muito cedo envolvi-me na promoção do diálogo sobre vários temas sociais sensíveis principalmente os concernentes à camada juvenil da qual fazia parte quando iniciei várias destas iniciativas durante o ensino médio e superior em diante , incluindo a saúde mental , saúde sexual e reprodutiva , equidade do género e a inclusão cultural . Isto ajudou-me que a aprender que as vezes o mais difícil é aprendermos a ouvir/ compreender opiniões contraditórias as nossas , bem como saber conviver em harmonia com a diversidade de opiniões , crenças , hábitos e costumes presentes em qualquer sociedade . Felicito os parlamentares angolanos por esta demonstração de sensibilidade social e de maturidade cívica . Tenho consciência que a caminhada ainda será muito longa para que comece a existir um diálogo equilibrado, educativo , aberto e sem tabus sobre assuntos ligados aos direitos sexuais e reprodutivos em Angola e não só . Felicito igualmente a todos membros da nossa sociedade que nunca deixaram de demonstrar que a acreditam que todo o ser humano é digno e merecedor de respeito independente do seu género, orientação sexual , crença religiosa ou aparência física. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Digo isto porque muitas das vezes o medo de tocar em temas sensíveis inibe a nossa capacidade de aprender a respeitar a diferença e de entender que só comunicando e ouvindo poderemos nos educar sobre vários destes temas sensíveis que fazem parte do quotidiano do mundo há várias gerações ( e Sim o mundo inclui “ África” ). ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Partilho por fim uma máxima que aprendi durante toda a minha educação cristã: Vamos todos respeitar e amar ao próximo tal como gostaríamos de ser respeitados e amados pelos demais . O resto resolveremos com o diálogo 🙂🙏🏾🏳️‍🌈 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #cautiouslyoptimistic #respeitoaoproximo #lovethyneighbor #listenandlearn #1886 #2019 #loveisnotacrime #ajornadacontinua

A post shared by Coréon Dú (@coreondu) on

Coréon Dú, nome artístico de José Eduardo Paulino dos Santos, assumiu publicamente, em julho, a sua homossexualidade com uma publicação na mesma rede social, tornando-se numa das poucas figuras públicas angolanas assumidamente homossexuais.

“Homem `gay` solteiro. O que os meus amigos pensam que faço; O que a minha mãe pensa que faço; O que o meu pai pensa que faço; O que a sociedade pensa que faço. O que eu penso que faço; E o que realmente faço”, escreveu, na altura, o também designer e produtor de televisão, de 33 anos.

Aprovado a 23 de janeiro pelo Parlamento, o novo Código Penal angolano despenaliza as relações homossexuais em Angola, garantindo agora que ninguém pode ser penalizado por discriminação em razão da orientação sexual, medida já saudada pela Human Rights Watch (HRW).

Coréon Dú felicitou os parlamentares angolanos “por esta demonstração de sensibilidade social e de maturidade cívica”, mas admitiu que a caminhada dos direitos dos homossexuais em Angola “ainda será muito longa”.

“Tenho consciência que a caminhada ainda será muito longa para que comece a existir um diálogo equilibrado, educativo, aberto e sem tabus sobre assuntos ligados aos direitos sexuais e reprodutivos em Angola”, adiantou.

O cantor homenageou também “todos os membros da sociedade que nunca deixaram de demonstrar que acreditam que todo o ser humano é digno e merecedor de respeito independente do seu género, orientação sexual, crença religiosa ou aparência física”.

As novas regras penais angolanas vêm substituir o Código Penal ainda do tempo da administração colonial portuguesa, datado de 1886, em que, desde logo, na alínea 4.ª do artigo 71.º, é estabelecido que as medidas de segurança (detenção) serão aplicadas “aos que se entreguem habitualmente à prática de vícios contra a natureza”.

No novo código, é definido que constituem circunstâncias relevantes para a determinação da medida da pena os que agirem por discriminação, entre outras, em função da orientação sexual.

No mesmo sentido, o novo Código Penal de Angola, que pôs fim a 133 anos de vigência do anterior — embora com adendas ao longo do tempo -, indica também que quem se recusar a empregar uma pessoa em função da orientação sexual poderá ser condenado a uma pena máxima de dois anos.

No entanto, o novo Código Penal angolano ainda não aborda nem prevê qualquer medida legislativa clara sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, bem como de outras incidências relacionadas com a temática LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais).

Trata-se da segunda vez que o Governo angolano de João Lourenço aprova uma medida contra a discriminação por orientação sexual, depois de, em junho de 2018, ter legalizado a Associação Íris Angola, que defende a causa LGBT.

 

C/ RTP

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (220)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD