Connect with us

Opinião

Conteúdo africano para os povos africanos!

Published

on

O mundo está a acordar para o poder criativo de África e nunca foi tão importante aproveitarmos esta oportunidade enquanto continuamos a desenvolver as nossas indústrias criativas.

Ao assinalarmos a Semana Africana, Yolisa Phahle, CEO General Entertainment and Connected Video na MultiChoice, sublinha os benefícios económicos de investir na nossa indústria local e a necessidade de as pessoas se verem representadas no entretenimento que veem.

A estrela de África está a subir. O continente está a tomar o seu lugar no palco global à medida que aumenta a procura da nossa contribuição única e excitante para o mundo. A presença de África está a encontrar expressão em numerosos campos, mas em poucas áreas tem sido tão pronunciada como nas artes criativas e no entretenimento.

Quem não celebrou o aparecimento de marcas africanas como a Maxhosa by Laduma na New York Fashion Week?

Quem, de facto, não ficou entusiasmado por ver as nossas culturas a ocupar um lugar de destaque em filmes como Black Panther, ou no vídeo alargado de Beyoncé para Spirit + Bigger?

Ouve o remix Alicia Keys Wasted Energy com o Diamond Platnumz da Tanzânia, e diz-me que não aquece o teu coração africano!

Estes são verdadeiros sinais de realização africana, e um reconhecimento da rica cultura que tem inspirado as pessoas em tantas outras partes do mundo. A representação autêntica é importante: o público global está faminto por novas vozes e o facto de ser reconhecido positivamente em casa e no estrangeiro inspira-nos a criar ainda mais.

No entanto, estes são pequenos passos e ainda há muito a fazer para assegurar que o verdadeiro potencial de África seja realizado. Embora vermo-nos no ecrã seja certamente um progresso, ainda não é uma verdadeira representação quando o é feito através dos olhos dos outros. É inacreditável que a nossa história pré-colonial ainda mal tenha sido contada do ponto de vista africano.   A história dos Vikings, de Colombo e muitos dramas históricos ocidentais têm sido usados para educar o público, enquanto muitas das nossas histórias continuam por contar.

Há muito trabalho a ser feito para assegurar que o povo africano se veja a si próprio reflectido com precisão no conteúdo que consome. E é aí que nós, como consumidores, produtores, emissoras, professores e como comunidade, temos um papel a desempenhar.

Por muito que África esteja sub-representada no resto do mundo, ainda há espaço para mais conteúdos africanos a serem partilhados nas próprias plataformas dos meios de comunicação social africanos.

Na Multichoice, temos orgulho em fazer parte desta jornada, ajudando a criar plataformas e a fazer investimentos que apoiem esta evolução.

Como produtores de conteúdos, também compreendemos quão crítico é, não só contar as nossas próprias estórias, mas também fazê-lo utilizando os mais elevados padrões e valores de produção. Precisamos de elevar a fasquia para que também possamos actuar no palco internacional ao lado de países como o Brasil, Índia, Turquia e Coreia do Sul. Mas, mais importante ainda, precisamos de ser o melhor possível para o nosso público que não merece menos e que aprecia muito o prazer acrescido que a qualidade, a narração de histórias com ressonância local, proporciona. Com toda a razão, eles são também implacáveis com tudo o que fique aquém dos elevados padrões que se tornaram esperados.

Para ajudar a concretizar esta visão, adoptamos uma abordagem “hiperlocal”, produzindo conteúdos relevantes dentro das respectivas regiões do nosso continente, em oposição a uma estratégia de tamanho único com conteúdo genérico africano e internacional.

Encontrámos um apetite quase insaciável por conteúdos locais autênticos. Quanto mais entretenimento local servimos, menos audiências de conteúdo internacional escolhem assistir! As audiências africanas, como outras em todo o mundo, respondem com entusiasmo ao verem-se a si próprias, e às suas comunidades representadas por produções nacionais na sua língua. Nos últimos meses, lançámos o primeiro canal Pan Africano de estilo de vida.  Honey celebra como vivemos, como aspiramos a viver e traz os criadores de estilo de todo o continente para um único destino. Actualmente, temos programação em 41 línguas e recentemente adicionámos canais em Amárico e Akan.

Uma abordagem híper local à criação de conteúdos também faz muitas vezes sentido do ponto de vista comercial, uma vez que mesmo conteúdos de estúdio americanos comoditizados são caros quando têm de ser pagos em dólares americanos.

Uma regra geral é que o conteúdo terá mais sucesso quando reflecte os valores, a cultura e a linguagem do seu público. Vale a pena lembrar que mesmo o conteúdo dos Estados Unidos é “local” nos EUA. O facto de viajar internacionalmente deve-se em grande parte ao facto de o público se ter habituado à cultura após décadas de construção dos EUA e de ter impulsionado a procura da sua língua e normas culturais.

O conteúdo híper local, de origem caseira, golpeia contra esta homogeneização da cultura ao celebrar o que nos torna únicos. Ao mesmo tempo, cria oportunidades para indústrias inteiras. Sempre que criamos conteúdos locais em vez de simplesmente comprarmos uma série internacional, são criadas centenas de oportunidades para escritores, actores, realizadores, produtores, exibicionistas, fornecedores de catering, estilistas e outros africanos.

Na África do Sul, a indústria cinematográfica local tem vindo a facilitar filmes, séries e comerciais internacionais há décadas. O país já exporta talento e produções para o resto do mundo, especialmente na produção comercial. Agora é tempo de trabalhar com as nossas talentosas indústrias para levar as histórias africanas para mais longe.

Noutros territórios, tais como o Quénia, Gana, Uganda e Nigéria, nós similares de excelência criativa e profissional estão a criar raízes. Esperamos ansiosamente uma época em que cada país do continente esteja a produzir conteúdos africanos de classe mundial, autênticos, e localmente relevantes para o seu próprio público, e para a diáspora.

Ao assinalarmos a Semana Africana da Unesco – apropriadamente, com o tema “Paz, inovação e desenvolvimento sustentável em África” – celebramos a excelência africana em todos os campos criativos. Já, o nosso fascinante, vibrante e poderoso continente está a recuperar o seu legítimo lugar na cena mundial. O futuro parece ainda mais brilhante à medida que nos esforçamos por levar as histórias africanas para o mundo.

Vamos todos reivindicar esse lugar na ribalta. O nosso povo merece ver-se reflectido no nosso próprio conteúdo, produzido pelo nosso próprio povo. Essa mudança está a acontecer mesmo debaixo dos nossos pés. Que continue, e que o mundo venha a apreciar o verdadeiro valor de África.

*A Semana de África da Unesco decorre de 24 a 30 de Maio. Para mais informações sobre a oferta de conteúdos africanos do Grupo MultiChoice, visite https://www.multichoice.com/our-africa-2021/

Por Yolisa Phahle