Connect with us

Mundo

Comunidade internacional reage negativamente morte de manifestantes no Quénia

Published

on

Milhares de quenianos saíram às ruas da capital de Nairobi ao longo dos últimos dias para protestar contra um projecto-lei que prevê o agravamento dos impostos.

Ontem, o protesto escalou e os manifestantes assaltaram o Parlamento, havendo registo de, pelo menos, 17 vítimas mortais.

Em causa está um projecto-lei das Finanças 2024, que foi aprovado a 13 de Junho, por 195 votos a favor e 106 contra, e prevê a introdução de novos impostos, incluindo um IVA de 16% sobre o pão e um imposto anual de 2,5% sobre os veículos privados.

Entretanto, as reacções não se fazem esperar. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou hoje “profunda tristeza” pelas mortes.

Também o presidente da União Africana, Moussa Faki Mahamat exprimiu ontem “profunda preocupação” pela violência no Quénia, e instou o país a “manter a calma e a abster-se de qualquer nova violência”.

Em declarações hoje ao espaço “Visão Global” do programa informativo “Capital Central”, Mário Gerson, especialista em relações internacionais, comentou os incidentes do Quénia e alertou para a necessidade de “os governos ter o máximo de cuidados na adopção de algumas políticas com vista a evitar o que se vive actualmente no Quénia”.

Escute as declarações abaixo