Connect with us

Sociedade

Cidadãos poderão sair ou entrar em Luanda sem autorização

Published

on

Apesar do abrandamento de algumas medidas, em vigor até hoje, Luanda vai se manter sob cerca sanitária até o dia 07 de Novembro, no quadro do prolongamento do actual período de Situação de Calamidade, que o país vive, desde o dia 26 de Maio deste ano.

O facto foi avançado, nesta quarta-feira, 07, pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, salientando que, a partir de sexta-feira, 09, os cidadãos já poderão sair de Luanda ou entrar sem qualquer autorização, senão o comprovativo do teste negativo da covid-19.

Lazer

As praias e as zonas balneares  se vão manter interditas pelo menos até 07 de Novembro, enquanto os espectáculos vão retomar de forma gradual e lotação limitada.

Segundo Adão de Almeida, praias, piscinas e marinas, que se esperava que reabrissem a partir de 15 de Outubro, vão continuar encerradas, sendo feita nova reavaliação a 07 de Novembro.

As actividades culturais e espectáculos podem começar gradualmente a partir de sexta-feira, com horário limitado até às 22:00, inicialmente condicionados a não mais de 50% da sala e com presença não superior a 150 pessoas, com lugares sentados.

As actividades religiosas passam a ser também possíveis em Luanda até quatro dias por semana, o que já era aplicado nas demais províncias.

O ministro anunciou também que as receitas resultantes das multas são destinadas aos governos provinciais e são aplicados apenas em despesas relacionadas com prevenção e combate à covid-19.

Novo regime de testagem 

O Governo vai criar dois regimes de testagem a partir de sexta-feira, consoante sejam realizados por iniciativa própria, que passam a ser comparticipados, ou por iniciativa das autoridades de saúde, que continuam gratuitos.

“Os testes por iniciativa própria, que sejam realizados em institutos públicos passam a ser comparticipados”, indicou o governante, acrescentando que os que são realizados por iniciativa das autoridades sanitárias continuam a ser gratuitos.

O novo diploma, que passará a vigorar às 23:59 de 08 de Outubro, contempla também alterações para a força de trabalho, que em Luanda era de 50% e passa a ser de 75%, e clarifica regras para a retoma gradual das aulas presenciais.

As regras consagram o distanciamento físico mínimo de um metro e meio entre alunos e professores, dispensa de actividade lectiva presencial para alunos e professores particularmente vulneráveis e o uso de máscaras.

Por Correio da Kianda com Lusa e Angop 

Covid-19 em Angola 

5.863 infectados
206 óbitos
2.615 recuperados
3.042 activos