Connect with us

Angola que dá certo

Chevron disponibiliza mais de 250 milhões de dólares para projectos sociais em Angola

Published

on

Mais de 250 milhões de dólares foram  investidos, nos últimos 25 anos, pela petrolífera americana Chevron  em  projectos comunitários, nas áreas da saúde, educação, desenvolvimento económico e estudo de impacto ambiental em Angola.

A informação foi hoje, quarta-feira, avançada à imprensa, no  Lubango, província da Huíla, pelo seu director-geral em Angola,  Billy Lacobie,  a margem  da inauguração da Maternidade Irene Neto, resultante de uma das acções da responsabilidade social da companhia.

Billy Lacobie realçou que a intenção é continuar fazer investimentos comunitários dessa natureza, sempre em parceria com concessionária nacional, pois os seus  programas de investimento social em Angola representam uma aposta a longo prazo, para o desenvolvimento sustentável e contínuo das comunidades onde opera.

“Dispomos de parcerias com instituições governamentais, comunidades, parceiros de desenvolvimento e organizações não-governamentais para a identificação, planeamento, execução, monitorização e avaliação de todos os nossos projectos”, expressou.

Segundo a fonte, a Chevron seleccionou e apoiou o desenvolvimento estratégico na saúde, educação e actividade, económica, além daquelas relacionadas com o meio ambiente que permitam criar empresas sustentáveis e valores socioeconómicos para as comunidades, cujo foco são as províncias de Cabinda, Luanda e  Zaire.

De acordo com Billy Lacobie, os projectos de investimento da petrolífera destinam-se a dar prioridade para melhoraria das condições de saúde nas comunidades, embora não descarte parcerias com instituições governamentais, comunitárias, públicas e privadas para melhorar o acesso a cuidados de saúde e partilhar conhecimentos que capacitem as comunidades locais no combate e na prevenção de doenças infecciosas.

“Ao longo dos anos, os nossos projectos em Angola para a área da saúde proporcionaram um contributo significativo no combate à malária, VIH/SIDA, tuberculose e anemia falciforme. Os nossos esforços e parcerias beneficiaram mais de 204 mil pessoas através do nosso contínuo investimento para reduzir a morbilidade e a mortalidade nas nossas comunidades”, frisou. BP/MS

Colunistas