Connect with us

Mundo

Chefe do exército da África do Sul em Moscou para negociações bilaterais

Published

on

A Força de Defesa Nacional da África do Sul (SANDF) disse esta segunda-feira que o seu chefe do exército, Lawrence Mbatha, está em Moscou para uma reunião bilateral, onde visitará academias militares russas e manterá conversas com autoridades.

“Deve-se notar que a África do Sul tem relações bilaterais militares com vários países do continente e além”, disse o SANDF em um comunicado, acrescentando que o encontro na Rússia foi planeado com bastante antecedência.

Mais cedo na segunda-feira, o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, disse que a posição não alinhada do país não favorece a Rússia em detrimento de outros estados e reiterou o seu apelo por uma resolução pacífica para o conflito na Ucrânia.

Ramaphosa fez os comentários em um boletim presidencial semanal. Na semana passada, os Estados Unidos alegaram que armas foram carregadas no navio russo Lady R de uma base naval na Cidade do Cabo no final do ano passado, o que gerou uma disputa diplomática.

As autoridades sul-africanas rapidamente rejeitaram as reivindicações feitas pelo embaixador dos EUA na África do Sul, Reuben Brigety, que também disse que altos funcionários dos EUA tinham “profundas preocupações” com a política declarada de não-alinhamento e neutralidade da África do Sul em relação à guerra da Rússia na Ucrânia.

“Não aceitamos que nossa posição de não-alinhamento favoreça a Rússia acima de outros países. Nem aceitamos que isso coloque em risco nossas relações com outros países”, disse Ramaphosa.

A África do Sul continuará a honrar os acordos e tratados internacionais dos quais é signatária e sua abordagem às alegações dos EUA sobre o envio de armas os respeitará, acrescentou.

O gabinete de Ramaphosa disse que nenhuma evidência concreta foi fornecida para apoiar as reivindicações feitas pelo embaixador, mas que um inquérito conduzido por um juiz aposentado iria investigá-las.

Vários ministros, incluindo o responsável pelo controlo de armas, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores e o ministro das Comunicações disseram que a África do Sul não aprovou nenhum envio de armas para a Rússia em Dezembro.

Brigety foi convocado na sexta-feira para se encontrar com o ministro das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, e pediu desculpas “sem reservas” ao governo e ao povo da África do Sul, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

“Fiquei grato pela oportunidade de falar com o ministro das Relações Exteriores e corrigir quaisquer impressões errôneas deixadas por meus comentários públicos”, disse Brigety em um tuíte que não confirmou se ele havia se desculpado.

A África do Sul, que se absteve de votar nas resoluções da ONU sobre a guerra da Rússia na Ucrânia, diz ser imparcial. Os países ocidentais, no entanto, o consideram um dos aliados mais próximos de Moscou no continente.

Com Reuter