Connect with us

Economia

CGD emprestou milhões a Isabel dos Santos para compra de ações… à própria CGD

Crédito para tomada de posição na ZON (agora NOS) foi aprovado no fim de 2009, apesar de um parecer condicionado da Direção-Geral de Risco, diz o Correio da Manhã

Published

on

O banco público português emprestou à empresária Isabel dos Santos, em dezembro de 2019, 125 milhões de euros para que a filha do antigo presidente, José Eduardo dos Santos pudesse comprar ações da ZON – empresa de telecomunicações que é agora a NOS. Parte dessas ações era da própria CGD (2%), sendo o restante da ZON (4,57% e a Cinveste (3,43%).

O financiamento pela CGD, mesmo autorizado, recebeu um parecer condicionado da Direção-Geral de Risco, diz o Correio da Manhã deste sábado. As garantias consistiram no “penhor financeiro das ações adquiridas e o aval da engª Isabel dos Santos, consubstanciado numa livrança subscrita pela Kento [empresa financeira da empresária angolana] e avalizada pela própria”, anora um relatório do Banco de Portugal, consultado pelo jornal”. A Direção de Risco recomendava que o crédito fosse concedido por um sindicato bancário, para reduzir a exposição do banco público – o que acabou por não acontecer.

O crédito era para ser pago à Caixa em sete anos, mas numa resposta ao CM, fonte ligada à empresária angolana diz que “grande parte já foi amortizado” – o que significa que ainda não foi totalmente pago. No relatório acima citado, datado de 2011, o banco central português dizia que “os fundamentos” para a concessão do empréstimo “não são compatíveis com uma prática prudente da concessão de crédito”.

 

C/ Expresso

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *