Connect with us

Economia

Cervejeira ligada a Isabel dos Santos abre com 200 empregados

Published

on

Antes do arranque da unidade fabril, os trabalhadores beneficiaram de mais de 85 mil horas de formação em vários segmentos da cadeia de produção, comercial e marketing.   

A fábrica, localizada na comuna de Bom Jesus, município de Icolo e Bengo (Luanda), tem uma capacidade instalada de 144 milhões de litros/ano, suportada por três linhas de enchimento, sendo duas linhas em garrafas de 33 centilitros (uma de tara perdida e outra de tara retornável ) e uma em lata.

A construção da nova infra-estrutura e o seu apetrechamento contou com um financiamento da banca comercial nacional e estrangeira.

O surgimento da nova cervejeira, com a marca “Luandina”, junta-se ao segundo produto desta distribuidora, a seguir à cerveja Sagres.

Após ter feito a inauguração da infra-estrutura, o ministro da Economia e Planeamento, Pedro da Fonseca, considerou de extrema importância o surgimento da unidade fabril por representar pelo menos 11 porcento da capacidade instalada da indústria cervejeira no país, bem como facilitar o emprego de sete porcento da mão-de-obra deste sector.

Independentemente da complexidade tecnológica que encerra a instalação da indústria cervejeira, o seu peso na empregabilidade das pessoas é relevante à sociedade, sublinhou o ministro.

“Esperamos que o processo de produção desta fábrica incorpore cada vez mais recursos naturais internos, tornando o produto cem por cento angolano”, augurou.

Garantiu que o Governo vai continuar a manter o compromisso de facilitar a actividade económica e social dos agentes empresariais, tendo em conta os resultados obtidos no doing business, que encoraja a prosseguir com este desiderato.

Por outro lado, Sindika Dokolo, um dos promotores do projecto, afirmou que a inauguração desta fábrica representa a materialização de um sonho que começou em 2003, com a sua iniciativa e da empresária Isabel dos Santos.

Referiu que a recuperação do investimento aplicado no empreendimento vai depender, essencialmente, da reacção do mercado, que conta com muitos concorrentes com longa trajectória neste segmento.

“Vamos trabalhar para reforçar a presença da “Luandina” no mercado nacional”, afirmou.

Para José Severino, presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), o surgimento desta fábrica representa o evoluir da concorrência no país, o que vai permitir às cervejeiras a serem cada vez mais competitivas, aumentando o nível de exportação deste produto.

Considerou a competitividade como elemento fundamental para se ganhar o mercado externo.

Afirmou que as indústrias de bebidas em Angola terão mais conforto com a aprovação da nova Pauta Aduaneira, podendo maximizar a competitividade interna.

Para Luís Faria, jovem que ganhou o seu emprego, a unidade fabril tem servido de sustento para a sua família, assim como tem ajudado a adquirir novos conhecimentos.

A fábrica foi construída numa área de 33 mil e 400 metros quadrados, nas margens do Rio Kwanza.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *