Connect with us

Politica

Centrais sindicais apresentam problemas dos trabalhadores angolanos ao Presidente da República

Published

on

As centrais sindicais de Angola apresentaram, nesta quarta-feira, 04 as principais preocupações das classes trabalhadores do país ao Presidente da República, João Lourenço, de que receberam garantias de intervir para melhorar a situação.

Tratam-se da Central Geral dos Sindicatos Independentes e Livres de Angola (CGSILA), da União Nacional dos Trabalhadores Angolanos – Confederação Sindical (UNTA-CS), e da Força Sindical, representados pelos respectivos secretários-gerais, Francisco Jacinto, José Laurindo e Cleófas Venâncio, que foram recebidos em audiência pelo Chefe de Estado angolano.

O fraco poder de compra dos trabalhadores, classificado como precário pelos sindicalistas, a necessidade do aumento do salário mínimo nacional e de concertação social no sector da saúde foi abordado no encontro, que olhou igualmente para a situação da saúde no país.

À saída do encontro o secretário-geral da CGSILA, Francisco Jacinto, considerou de “um bom sinal”, o facto de terem sido recebidos no palácio presidencial. “Hoje é a segunda vez que somos recebidos e nós estamos agradecidos e é sinal de facto de abertura e nós, por isso hoje sendo a segunda vez que nos recebe, não deixamos de realçar a sua importância e a sua relevância”, disse aos jornalistas.

Francisco Jacinto disse que apresentaram ao Presidente João Lourenço, as preocupações da classe trabalhadora do país.

Na audiência os sindicalistas entregaram ao chefe de Estado, um memorando contendo as principais preocupações dos trabalhadores angolanos.

Questões ligadas à segurança social e a falta de publicação em Diário da República dos estatutos de vários sindicatos constituídos há mais de 15 anos, constam também do memorando e estiveram na agenda da reunião.

Os sindicalistas afirmaram que receberam do Presidente João Lourenço, garantias de baixar orientações, “na medida do possível”, para ver atendidas as preocupações apresentadas pelas classes trabalhadoras ai representadas.