Connect with us

Politica

Censo 2024: recolha de dados será feita de modo digital

Published

on

Dez anos após a realização do primeiro censo, a recolha de informações do segundo Censo da População e Habitação em 2024 será feita, pela primeira vez de modo digital, com a utilização de tablets para recolha de dados.

Segundo nota do Instituto Nacional de Estatística (INE), o Censo decorrerá em três etapas principais até o final da recolha efectiva dos dados. Na primeira etapa, será feita a actualização cartográfica, que consiste em definir e redefinir os limites dos bairros. Para a sua efectivação, contará com cartógrafos, informáticos e motoristas em toda a geografia nacional. Nessa etapa, prevê-se dividir o país em cerca de 92 mil secções para efeitos de entrevistas aos agregados familiares.

A segunda etapa é de recenseamento piloto e vai servir para testar o processo de prontidão para a realização do Censo em 2024. O recenseamento geral acontece na terceira etapa, e última, que vai abranger a população e as habitações.

Para o efeito, o Presidente da República, João Lourenço, criou, por Despacho, uma Comissão Multissectorial de apoio à realização do próximo Censo da População e Habitação. A comissão, de acordo com o Despacho n.º290/22 de 30 de Dezembro, é coordenada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República, Francisco Furtado, coadjuvado pelo Ministério da Economia e Planeamento, o Instituto Nacional de Estatística (INE) e por diferentes departamentos ministeriais.

Censo 2014

O primeiro Censo Geral da População e Habitação, realizado em 2014, apurou um total de 25.789.024 habitantes, dos quais 63% residiam na zona urbana e 37% na área rural.

A população angolana é constituída maioritariamente por mulheres, 13.289.983, correspondente a 52% do total, enquanto a masculina é de 12.499.041, representando 48 por cento.

A província de Luanda é a mais populosa, com 6.945.386 habitantes, representando mais de um quarto da população do país. Seguem-se as províncias da Huíla (2.497.422), de Benguela (2.231.385) e do Huambo (2.019.555).

Formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, a profissional actua no mercado de comunicação há 18 anos. Iniciou a sua carreira em 2004, apresentando um programa de rádio e logo migrou para a comunicação digital, para a impressa e, posteriormente, a institucional. Tem vasta experiência como web journalist, criação e gestão de redes sociais, tendo participado dos projectos de desenvolvimento de diversos sites, blogs e redes sociais governamentais, privados e do terceiro sector. Reside em Luanda desde 2012, tendo trabalhado como jornalista no portal de notícias Rede Angola, como assessora de imprensa e directora de Comunicação e Operações nas Agências NC - Núcleo de Comunicação e F.O.T.Y, atendendo diversos clientes governamentais e privados. Actualmente trabalha como editora do portal Correio da Kianda.