Connect with us

Angola que dá certo

Casa do Gaiato recebe bens oferecidos pelo Porto do Lobito

Published

on

A Casa do Gaiato em Benguela, que actualmente acolhe 147 crianças órfãs e de rua, recebeu, no final de semana, bens alimentar de primeira necessidade, numa acção de solidariedade realizada pela direcção do Porto do Lobito.

O presidente do Conselho de Administração do Porto do Lobito disse na ocasião que os bens foram entregues com o objectivo de minimizar as dificuldades da Casa do Gaiato, no quadro do encerramento das actividades do 95º aniversário da instituição.

Celso Rosa considerou o acto um gesto de solidariedade de todos os trabalhadores, que uniram sinergias em prol das crianças da Casa do Gaiato.

“É preciso que o exemplo de partilha e solidariedade seja uma realidade, principalmente com as crianças e jovens residentes nos lares de acolhimento”, garantiu, acrescentando que acções do género vão ser feitas mais vezes no quadro das acções de responsabilidade social da empresa.

O padre Arnaldo António, responsável da Casa do Gaiato, congratulou-se com o gesto solidário do Porto do Lobito. “Actualmente a instituição controla um total de 147 crianças e jovens desamparados, provenientes de vários municípios de Benguela”, realçou.

O sacerdote disse que grande parte das necessidades do centro passam pela manutenção da Casa, pelo facto de as estruturas físicas, de 60 anos, apresentam já algumas fissuras, assim como problemas de infiltração de água.

A integração dos jovens, referiu, é outro grande desafio.

“Os rapazes preparam-se e depois não encontram emprego para organizarem as vidas e deixarem o lugar para as novas crianças”, disse, acrescentando que é através do emprego eles podem garantir a sua autonomia.

“Dói quando outras crianças batem-nos à porta e não temos lugar para elas”, lamentou.

A Casa do Gaiato, também conhecida como “Obra da Rua”, é uma instituição de solidariedade fundada em Portugal e que se estendeu a Benguela através do Padre Manuel Pereira, tendo já passado por ela mais de mil rapazes, que receberam formação e educação, em profissões como serralharia e carpintaria.

Com JA