Conecte-se agora

A voz do Cidadão

CASA-CE: Entre a idiotice da expulsão do seu líder e o risco eminente de suicídio político colectivo – Albano Pedro

Redação

Publicados

on

casa-ce: entre a idiotice da expulsão do seu líder e o risco eminente de suicídio político colectivo - albano pedro - 0458dabc9 3ae6 46ed a3ca f8318d1ec264 r NjQweDM0NQ - CASA-CE: Entre a idiotice da expulsão do seu líder e o risco eminente de suicídio político colectivo – Albano Pedro

A expulsão de Abel Chivucuvucu (AC) da liderança da CASA-CE pelos partidos políticos assemelha-se a um idiota que mergulha num lago acorrentado de pedras pesadas esperando dele emergir com o próprio esforço físico. É coisa de doidos. Sabe-se de antemão que é uma decisão que levará ao suicido político os integrantes dessa coligação.

Sobretudo por se tratar de um aglomerado de partidos político que fugiu ao perigo da extinção por causa do número insignificante de militantes que sempre tiveram. Militantes incapazes de preencher uma simples sala de reuniões e com lideres que sonham um dia em dar um comício que atraia gente bastante para preencher o quintal de uma moradia humilde construída as pressas.

Só a ganância e a cegueira provocada pelo repentino bem-estar facultado pelo acesso a Assembleia Nacional aos líderes destes partidos podia resultar na insensatez de expulsar o próprio “salvador”. Tolhidos pela febre do “sucesso sem esforço”, tais líderes entendem que a substituição de AC pode ser feito sem prejuízo para a sobrevivência da própria coligação.

AC é infelizmente o candelabro que iluminou o caminho da CASA-CE desde o seu surgimento. Com o seu carisma arregimentou todas as vontades que tornaram a coligação na terceira maior força política de Angola numa altura em que os angolanos procuravam por vias alternativas para concretizar a sua soberania fora da representação dos partidos tradicionais.

Infelizmente, a expulsão de AC tornou-se na saída possível para uma meia dúzia de partidos políticos sem calibragem para gerir clivagens internas próprios dos ambientes partidários. O que resta a CASA-CE é uma quase missão impossível qua passa a ser assumida pelo Almirante MIAU, o substituto de AC. O almirante que vai certamente conduzir o navio nos mares turvos da incerteza política nos próximos desafios eleitorais. Pois, a CASA-CE vai despida de eleitores, um problema que já viviam os partidos que o integraram esperando juntar as migalhas de eleitores que podiam atrair.

O que resta a AC e seus correligionários é aquilo que devia ter sido feito desde o início. Criar uma força política ou capturar uma que já exista no mercado. Uma solução que devia ter servido para contornar a imprudência de entrar numa coligação sem um partido político. Coisa que lembra uma inexplicável negligência. A primeira hipótese (criar uma força política) está vedada pela estranha “operação fantasma” desenvolvida pelo Tribunal Constitucional (TC) contra a democracia representativa multipartidária inibindo a legalização de novas forças políticas.

De um tempo a esta parte, o TC vem justificando, o “injustificável” para não “acreditar” qualquer partido político novo em Angola. Os argumentos só podem ser políticos e certamente direccionados a necessidade de impedir que AC se despisse facilmente da CASA-CE. Quanto a segunda hipótese (o de capturar um partido existente) as possibilidades só podem estar entre os partidos que integram a própria CASA-CE já que a única força residual é o ND de Quintino Moreira, muito longe de facilitar a boa imagem dos “independentes”. É preciso que haja um partido descontente com os outros “casistas” para apoiar a causa de AC e seus “muchachos”.

Avançando a “solo” (sem os casistas), AC e terá duas consequências. Ou integra já um partido político para iniciar a campanha de (re) mobilização e perde os privilégios de estar na Assembleia Nacional (para onde deve regressar saido do Conselho da República) ou aguarda pelo fim do mandato nesse órgão para integrar a nova formação política no limiar das próximas eleições e iniciar tardiamente a sua campanha. A decisão depende do seu bom senso se quiser sobreviver no xadrez político nacional!

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (14)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (224)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (12)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (12)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (58)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (6)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação