Connect with us

Eleições 2022

Candidatos sem programas de inclusão para pessoas com deficiência

Published

on

O activista e defensor cívico de pessoas com deficiências físicas, Adão Ramos, disse ao Correio da Kianda, que nenhum partido político ou coligação de partido político concorrente às eleições de 24 de Agosto, apresentou até ao momento, um programa inclusivo que defende interesses de pessoas com deficiências físicas.

“Os partidos políticos quer nos seus programas de governo que propõem ou apresentam aos potencias eleitores, quer nos manifestos eleitorais, não têm algo substancial de quaisquer indícios de novidade na eventualidade de ganharem eleições de uma alternância para pessoas com deficiências”, reparou Adão Ramos.

O defensor entende que os candidatos a Presidente da República e candidatos a deputados a Assembleia Nacional, em seus discursos não manifestam a preocupação de ouvir as pessoas com necessidades especiais, sobre a forma como os pretendem incluir no plane governativo. Para Adão Ramos, as abordagens dos políticos têm sido “muito erradas e incorretas”.

Tal atitude segundo o activista demonstra que eles não pensaram nas pessoas, e esquecem-se de fazer uma abordagem em que as pessoas com deficiência se revejam e atrai-los a votar nos seus programas.

Segundo Adão Ramos o discurso da ” alternância pela alternância não resolve alguma coisa”, sublinhou o também portador de deficiência, alternância deve trazer algo substancial que represente uma mudança radical no que diz respeito às pessoas com deficiências, “e isto, não se sente esta predisposição”.

Adão Ramos diz mesmo que as oitos formações políticas concorrentes as eleições gerais de 24 de Agosto, “em matéria de inclusão, estão a decepcionar, incluindo o MPLA “que era suposto fazer uma diferença neste ponto de vista”.

O tambem o politico realçou que, se olharmos na lista de candidatos a deputados a Assembléia Nacional dos partidos políticos e coligação dos partidos, “não vemos em posições legíveis pessoas com deficiências físicas”. Os que estão lá segundo adão ramos, estão em posições consideradas como não elegíveis.