Connect with us

Mundo

Burkina Faso: presidente interino diz que eleições prometidas para 2024 não são prioridade

Published

on

O líder da junta militar de Burkina Faso disse que as eleições prometidas só serão realizadas quando a situação de segurança permitir, enquanto centenas de seus apoiadores se reuniram na capital no primeiro aniversário do golpe.

Apoiadores reuniram-se na Place de la Nation, em Ouagadougou, esta sexta-feira, agitando bandeiras burquinenses. Alguns seguravam cartazes com fotos do jovem presidente interino, capitão Ibrahim Traoré.

Traoré assumiu o poder em 30 de Setembro do ano passado, depondo o líder de outro golpe que derrubou o presidente Roch Kabore oito meses antes, em meio a um agravamento da crise de segurança alimentada por grupos armados ligados à Al Qaeda e ao Estado Islâmico.

Os golpes de Estado foram bem recebidos por muitos cidadãos fartos da violência mortal e desiludidos pelo seu governo, mas condenados pelos países ocidentais que vêem a sua influência diminuir à medida que a democracia recua na região do Sahel, na África Ocidental.

A junta comprometeu-se anteriormente a realizar eleições em Julho de 2024 que restaurariam o regime civil, mas Traoré sublinhou na sexta-feira que a sua principal prioridade era a segurança.

Numa entrevista à televisão estatal por ocasião do aniversário, ele disse que não haveria eleições até que o país fosse suficientemente seguro para que todos pudessem votar.

Traoré disse que a segurança estava melhorando e que o Exército havia ganhado terreno. Mas as perspectivas são muito desafiadoras. A insurgência que dura há uma década matou milhares e deslocou milhões de pessoas em Burkina Faso e nos vizinhos Mali e Níger. Todos os três são agora dirigidos por militares que assumiram o poder pela força, desde 2020.

As forças burquinenses sofreram uma das perdas mais pesadas em meses no início de Setembro, com mais de 50 soldados e combatentes voluntários mortos em confrontos com militantes.

Por Reuters