Connect with us

Mundo

Brasil comprará 46 milhões de doses de vacina chinesa

Redação

Published

on

O Ministério da Saúde brasileiro vai comprar 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida entre a farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, informou nesta terça-feira, 20, o governo estadual de São Paulo.

“O governo de São Paulo chegou a um acordo com o Ministério da Saúde para a aquisição, via Sistema Único de Saúde (SUS), de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria internacional entre a biofarmacêutica Sinovac Life Science e o Instituto Butantan, até o final de Dezembro de 2020″, indicaram as autoridades ‘paulistas’ em comunicado.

A informação foi confirmada durante uma reunião virtual entre a tutela da Saúde e governadores estaduais, na qual o executivo federal declarou que irá adquirir o imunizante após aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O potencial imunizante contra o coronavírus está em fase final de estudos clínicos no Brasil e mostrou-se totalmente seguro nos testes realizados desde o final de Julho. (…) A expectativa é que a vacinação nacional possa iniciar em Janeiro do próximo ano. Os detalhes sobre a inclusão da Coronavac no Plano Nacional de Imunizações serão divulgados após a formalização do acordo”, concluiu o executivo de São Paulo.

O anúncio da compra da Coronavac por parte do executivo brasileiro surge uma semana após o Ministério da Saúde ter anunciado a calendarização da aplicação de uma possível vacina contra a covid-19, na qual apenas considerou o imunizante desenvolvido pelo laboratório AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, tendo deixado de fora da apresentação outros imunizantes em testes no país.

O Instituto Butantanórgão ligado ao governo estadual de São Paulo, indicou na segunda-feira que os testes da vacina coronavac no Brasil mostram que o imunizante é o mais seguro entre todos os que estão na fase final de testagem, por apresentar o menor índice de efeitos colaterais.

“A vacina do Butantan é a mais segura. Todas tiveram efeitos colaterais grau três, que são os mais importantes. A vacina do Butantan não teve. Febre é outro indicativo importante, e na nossa foi de apenas 0,1%. Em febre acima de 38 graus, foi zero. É a vacina mais segura neste momento, não só no Brasil, mas no mundo”, disse o director do instituto, Dimas Covas.

Em causa estão os nove mil voluntários brasileiros já vacinados no país com a coronavac, que apresentaram apenas efeitos colaterais leves, como dor no local da aplicação do imunizante e dor de cabeça, segundo os investigadores.

A incidência de eventos adversos entre os voluntários do Butantan foi de 35% face aos cerca de 70% nas outras vacinas testadas, segundo o instituto.

O estado de São Paulo já comprou 60 milhões de doses da Coronavac e se o imunizante tiver eficácia e segurança comprovadas, o Instituto Butantan deverá fabricá-lo no país.

Até ao momento, o executivo brasileiro previa ter disponíveis cerca de 142 milhões de doses de vacinas, no primeiro semestre de 2021: 100 milhões de doses via AstraZeneca/Oxford e 42 milhões via COVAX Facility, iniciativa liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de mortos (mais de 5,2 milhões de casos e 154.176 óbitos), depois dos Estados Unidos.

pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 40,4 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (78)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (15)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2020 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD