Conecte-se agora

Mundo

Bolsonaro promete governar ‘sem distinção’ de raça, sexo ou religião

Redação

Publicados

on

- Bolsonaro - Bolsonaro promete governar ‘sem distinção’ de raça, sexo ou religião

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, prometeu nesta segunda-feira (10), em sua cerimônia de diplomação, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, que vai governar o País “em benefício de todos, sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião”.

“A partir de 1º de janeiro, serei o presidente dos 210 milhões de brasileiros”, declarou o capitão da reserva do Exército, que ao longo de sua carreira política gerou várias polêmicas por suas declarações racistas, homofóbicas e misóginas.

No ato, durante o qual recebeu o “diploma” que o habilita a assumir a Presidência da República, após o exame de suas contas de campanha, Bolsonaro agradeceu “muito especialmente aos mais de 57 milhões de brasileiros” (55% dos eleitores) que votaram nele no segundo turno, em 28 de outubro, e garantindo-lhe a vitória sobre o petista Fernando Haddad (45%).

“Aos que não me apoiaram, peço a sua confiança para construirmos juntos um futuro melhor para o nosso país”, completou.

Ao iniciar seu discurso, de cerca de dez minutos, Bolsonaro agradeceu “a Deus por estar vivo”, uma referência à facada no abdômen que levou durante comício em 6 de setembro em Juiz de Fora, Minas Gerais.

O presidente eleito, de 63 anos, ainda usa uma bolsa de colostomia, que deve ser retirada em janeiro.

“Com humildade, coragem, perseverança e tendo fé em Deus para iluminar minhas decisões, me dedicarei ao objetivo que nos une: a construção de um Brasil próspero, justo, seguro e que ocupe o lugar que lhe cabe entre as grandes nações do mundo”, prosseguiu.

“Não mais à corrupção, não mais à violência, não mais às mentiras, não mais à manipulação ideológica”, proclamou Bolsonaro, retomando alguns de seus principais temas de campanha.

“Todos conhecemos a pauta histórica das reivindicações da população brasileira: segurança pública e combate ao crime, igualdade de oportunidades com respeito ao mérito e ao esforço individual”, disse.

“Sempre no marco da Constituição Federal, nosso dever é transformar esses anseios em realidade”, acrescentou.

Ex-paraquedista do Exército que por quase três décadas foi deputado, Bolsonaro protagonizou ao longo de sua carreira várias polêmicas, como quando justificou a tortura durante o regime militar (1964-1985) ou declarou à deputada Maria do Rosário, do PT, que ela não merecia ser estuprada por ser muito feia.

Durante a campanha, prometeu flexibilizar o porte de armas e “varrer os bandidos vermelhos”, dando-lhes como opção o exílio ou a prisão.

AFP

Continue Lendo
Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (205)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD