Connect with us

Politica

“Boas práticas na função pública devem ser regra, não excepção” – Ângelo da Veiga Tavares

Published

on

“Uma sociedade cada vez mais transparente, na qual os funcionários e inspectores da IGAE possam contribuir no combate à corrupção” é o que defende o Inspector Geral da Administração do Estado, Ângelo da Veiga Tavares, que espera também que “as boas práticas na função pública sejam a regra, e não uma excepção”. O governante teceu essas considerações durante o encerramento do primeiro encontro metodológico, que decorreu nos dias 13 e 14 deste mês.

O responsável máximo da IGAE, disse que enquanto entidade máxima daquele órgão, “o seu compromisso mantém-se, para tudo fazer no sentido de melhorar as condições de trabalho e cumprir com as normas e orientações superiores”.

O inspector geral pediu aos presentes para dedicarem todo esforço a fim de criarem as condições técnicas necessárias, para o próximo seminário sobre boa governança, onde, segundo o mesmo, será possível “ter outros partícipes, no sentido de eliminar algumas inconformidades que ainda estão presentes no exercício da actividade administrativa nos distintos órgãos da administração central e local do Estado”, assegurou.

Entretanto, Ângelo da Veiga Tavares avançou que para se atingir esses objectivos, quer contar com o empenho de todos quadros da IGAE.

Para terminar, o responsável avançou que as matérias que foram ministradas devem ser absorvidas no sentido de cumprir duas funções essenciais, primeiro, “como nosso exercício como tal”, e, segundo para as actividades inspectivas, para “contactar-nos se as instituições inspeccionadas têm cumprido com as normas e procedimentos referenciados nos distintos diplomas legais, que regem as actividades dos órgãos de administração do Estado”, concluiu Ângelo da Veiga Tavares.

Jornalista multimédia com quase 15 anos de carreira, como repórter, locutor e editor, tratando matérias de índole socioeconómico, cultural e político é o único jornalista angolano eleito entre os 100 “Heróis da Informação” do mundo, pela organização Repórteres Sem Fronteira. Licenciado em Direito, na especialidade Jurídico-Forense, foi ainda editor-chefe e Director Geral da Rádio Despertar.

Colunistas