Connect with us

Economia

BNA apresenta nova família do Kwanza sem imagem de JES

Redação

Published

on

Actualizada em 08 de Junho

O Banco Nacional de Angola (BNA) realiza, nesta terça-feira, 7, em Luanda, uma conferência de imprensa para apresentar a nova família do Kwanza – série 2020, numa altura em que a moeda nacional já leva uma desvalorização de 16,9 e 17,2%, respectivamente, face ao dólar e euro, desde o início do ano.

Como novidade, avança o Jornal de Angola, na série 2020, a esfinge estampada nas notas passa a contar apenas com o rosto do primeiro presidente de Angola, António Agostinho Neto, ao contrário da actual que inclui também a do ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.

Aprovadas pela Assembleia Nacional em Janeiro deste ano, as novas notas, com valor facial de 200, 500, 1,000, 2.000, 5.000 e 10.000 kwanzas, também foram ilustradas com as maravilhas naturais de Angola.

A introdução das novas notas será feita de forma faseada, a começar pela de 200 kwanzas no dia 30 de Julho, seguida pelas de 500 a 17 de Setembro, a de 1.000 em Outubro, a de 2.000 a 21 de Novembro e a de 5.000 em Janeiro de 2021.

As notas da “série 2012” continuam a ser válidas e aceites como meio de pagamento, sem restrições, não sendo necessário a troca ou substituição pela nova série.

Na nota de 200 figuram as Pedras Negras de Pungo Andongo (Malanje), na de 500 a Fenda da Tundavala (Huíla), na de 1.000 a cordilheira do Planalto Central (Huambo), na de 2.000 a Serra da Leba (Huíla), na de 5.000 as ruínas da Catedral de São Salvador do Congo (Zaire) e na de 10.000 as Grutas do Zenzo (Uige).

“As novas cédulas do Kwanza serão mais seguras, com características que dificultam a sua falsificação. As notas terão substratos de polímero (plástico) que as tornarão mais resistentes e terão maior durabilidade do que as de papel, em circulação”, segundo garantias dadas pelo governador do BNA, José de Lima Massano.

Custos

Com as actuais notas de papel, o Estado gasta USD 30 milhões para manutenção do Kwanza em circulação, de dois em dois anos. A nova série do Kwanza terá o mesmo custo, mas a sua manutenção será feita a cada quatro anos. Nesta operação de emissão de novas notas, segundo José de Lima Massano, o BNA previa gastar USD 30 milhões, igual valor utilizado para o saneamento (substituição) das notas em circulação no país.

A introdução da nova família de notas será progressiva, particularmente das que tem maior valor facial e serão apenas emitidas e colocadas em circulação quando as condições do desenvolvimento económico assim o aconselharem, esclareceu na altura.

Entretanto, José de Lima Massano explicou na altura que em média são retirados da circulação e destruídos cerca de 300 milhões de notas, anualmente, cujos custos rondam os Kz 15 mil milhões, cerca de 30 milhões de dólares em cada exercício económico.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (74)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (14)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania