Connect with us

Sociedade

Bengo: destruídas mais 340 armas de fogo recolhidas a população nos últimos quatro anos

Published

on

São no total cerca de 348 de armas de fogo de calibres diversos, recolhidas coercitivamente e entregues voluntariamente pela população civil na província do Bengo, destruídos nos últimos quatro anos.

O Acto foi promovido pela ONG HALO TRUST, no âmbito da Semana Internacional do Desarmamento da População Civil, instituída pelas Nações Unidas, que decorre de 23 à 31 de Outubro do ano em curso. O evento decorreu esta sexta-feira, 28, no Centro de Instrução do Sassa Cária.

O certame foi presidido pelo vice-governador do Bengo, José Francisco Bartolomeu Pedro, em representação da Governadora Provincial do Bengo, Maria Antónia Nelumba, coordenadora da Comissão Provincial do Desarmamento da População Civil e contou, igualmente, com a presença do Delegado do Minint e Comandante Provincial do Bengo da Polícia Nacional, Comissário Delfim Kalulu Inácio.

Durante a atividade o representante da ONG Norte Americana, HALO TRUST, Luís Eduardo, disse que o acto de destruição de armas de fogo, vem dar segurança a todo material de guerra e que irão continuar com a  destruição do armamento e engenhos explosivos, e por este motivo prevê a construção na província do Bengo de um armeiro apropriado para prover segurança do armamento.

Na ocasião, o vice-governador do Bengo e o Delegado do MININT e Comandante Provincial do Bengo da PN, receberam explicações sobre como se processa a destruição das armas de fogo, tendo feito a abertura da cerimônia com a destruição das primeiras armas de fogo.

Em entrevista aos órgãos de comunicação social, o vice-governador do Bengo, disse estar satisfeito com o acto, uma vez que a província do Bengo travou várias batalhas durante o conflito armado tivemos muitas armas na posse da população então “nós estamos satisfeitos”, tendo frisado, que até ao momento além das armas destruídas hoje, a comissão multisectorial para o desarmamento já recolheu 1.857 armas de fogo já recolhidas, e alertou para o perigo de ter uma arma de fogo em casa.

Já o Subcomissário José Amaro Franco 2° Comandante Provincial do Bengo da Polícia Nacional falou sobre a importância do acto e lançou um apelo às populações a fazerem a entrega voluntária das armas de fogo em sua posse, porque quanto mais entregarem, mais a população fica em segurança, e “é preferível que as pessoas de forma voluntária entreguem as armas à Polícia”, realçou, o responsável da Polícia Nacional.