Connect with us

Chuvas

Balanço preliminar aponta para mais de 50 mortos em Luanda

Published

on

Cinquenta e quatro pessoas morreram e mais de 450 ficaram feridas em Angola, nos últimos dias, em consequência das chuvas, revelou esta sexta-feira, em Luanda, o ministro de Estado e Chefe da Casa Militar do Presidente da República, Francisco Furtado, que falava em conferência de Imprensa, sobre o balanço dos dias de chuva no país.

O governante sublinhou, no entanto, que os números apresentados são ainda preliminares e com consequências incalculáveis.

As fortes quedas pluviométricas registadas nos últimos 30 dias, que têm afectado todo o território nacional, já afectaram cerca de 44 mil pessoas e mais de quatro mil e 380 residências ficaram danificadas em Luanda.

Referiu que as principais causas são as vulnerabilidades económicas e sociais das populações, o grande grau de exposição ao risco, a ocupação desordenada dos solos, a multi-deficiências das infra-estruturas urbanas e a inobservância dos códigos de construção de habitações.

Informou que para além das medidas para mitigar a situação, o Executivo vai desencorajar as pessoas que, por desobediência administrativa, continuam a colocar as suas vidas em perigo.

Disse que as administrações municipais estão a trabalhar para abrigar os sinistrados em lugar seguro.

Plano de contigência

Francisco Furtado admitiu que a situação é crítica e exige a tomada de medidas urgentes, como o plano de contingência em preparação pelo Executivo, para execução já a partir da próxima semana.

Explicou que no âmbito do referido plano está-se a criar condições para apoiar os sinistrados com chapas, materiais para abrigos, roupas, alimentos e assistência sanitária, entre outros meios.

Colunistas