Connect with us

Politica

Aumenta tensão diplomática entre Angola e Gabão

Published

on

Novas autoridades de Libreville manifestam indignação pelo facto de a Embaixada angolana naquela capital ter realizado as comemorações dos 48 anos de independência de Angola sem convidar figuras do governo do país acolhedor. Em Setembro deste ano, o Presidente angolano deixou claro na ONU que não pretende sentar-se no mesmo lugar com tomadores de poder político pela força.

As relações entre Angola e o Gabão segue um único caminho: a deterioração.

O Governo angolano tem procurado manter distância com o novo regime do Gabão que depôs, pela força, o presidente Omar Bombo.

Em Setembro deste ano, por exemplo, durante o seu discurso naquela que é a maior tribunal política planetária, João Lourenço, apelou a que tudo se fizesse para que golpistas, sejam militares ou políticos, não tivesses assento nas diferentes organizações mundiais.

E na sequência das acções impostas contra os golpistas militares do Gabão, que passaram a administrar o Estado, o angolano Gilberto Veríssimo, na qualidade de presidente da Comissão Económica dos Estados da África Central (CEEAC), deu início a um processo de transferência da sede da entidade de Libreville, Gabão, para Malabo, Guiné Equatorial.

Os governantes de Libreville têm acusado Angola de os tratar com desprezo, tendo o tom dessas queixas aumentado neste mês, pelo facto de a Embaixada de Angola naquele país ter realizado comemorações dos 48 anos de independência angolana sem convidar quadros do governo do Gabão.

Em reacção, o Ministério dos Negócios Estrangeiros gabonês, de acordo com um comunicado lavrado a 15 de Dezembro, chamou o seu embaixador em Angola para consultas.

Entre outras coisas, as autoridades gabonesas contestam que Gilberto Veríssimo, antigo director-adjunto do Serviço de Inteligência Externa (SIE) angolano, pretenda retirar a sede da CEEAC do seu país para outro, apesar de Libreville ser o principal financiador da organização e com o agravante de a Guiné Equatorial ter dívida de dois anos de quotização no referido órgão.