Connect with us

Destaque

Arrancou hoje a greve dos professores

Published

on

Várias escolas de Luanda estão hoje sem aulas, no primeiro de três dias de greve convocada pelo Sindicato de Professores Angolanos (Sinprof) para reclamar aumentos salariais e actualização de carreiras, com alunos no exterior e cartazes anunciando a paralisação.

“Não tivemos aulas, os professores disseram-nos que apenas teremos aulas na próxima segunda-feira”, explicou à Lusa Chila Garcia, aluna do Instituto Médio de Economia de Luanda, onde alguns professores comparecerem, mas nem sequer marcaram presença nas salas de aulas.

Salas vazias, professores ausentes e pátio repleto de alunos é por exemplo o cenário também na Escola do primeiro ciclo do Ensino Secundário 1158 – 1.º de Maio, em Luanda.

“Os professores estão em greve muitos apareceram e depois foram embora, eles dizem que não estão ser pagos e por isso que estamos assim sem aulas. Agora vamos para casa”, explicou Sandra Alfredo.

O Sinprof diz aguardar desde 2013 por respostas do Ministério da Educação e das direcções provinciais de Educação ao caderno reivindicativo, nomeadamente sobre o aumento do salário, a promoção de categoria e a redução da carga horária, mas afirma “nem sequer 10% das reclamações foram atendidas”.

Esta greve estende-se até sexta-feira e deve ainda decorrer de forma interpolada nos meses de maio e junho, caso as autoridades não respondam ao caderno reivindicativo, conforme disse anteriormente o secretário do Sinprof, em Luanda, Fernando Laureano.

Em algumas escolas de Luanda, como foi o caso do Instituto Médio Industrial de Luanda (IMIL) e na Escola do primeiro ciclo do Ensino Secundário “Njinga Mbande”, alguns professores “pressionados pelos diretores” até tentaram hoje lecionar no primeiro tempo, mas viram-se “forçados” a paralisar com as aulas, ante a presença do “piquete” do Sinprof.

“Já estive na sala de aulas para dar o primeiro tempo, mas quando fui informado que estaria aqui a representante do Sinprof então tive de parar e estamos aqui à espera. Aliás, segundo constatei, o Sinprof formalizou aqui a greve, mas a direção não afixou o documento”, disse um dos professores do IMIL

Em declarações à Lusa, a directora da escola “Njinga Mbande”, Mariana Bessa, disse que as aulas decorriam na normalidade, contudo lamentou a ausência de alguns professores.

“O cenário é normal porque os professores veem para a escola muito cedo, ainda estavam meios indecisos, mas quando cheguei expliquei e estão a dar aulas. A alguns professores que não vieram já fomos marcando faltas”, sustentou.

Os alunos do Instituto Médio Comercial de Luanda, no centro da cidade se Luanda, também estão hoje sem aulas, o mesmo acontecendo nas escolas do primeiro ciclo do Ensino Secundário 1125 e escola primária 1126, ambas do distrito urbano do Sambizanga, ou ainda nas escolas do primeiro ciclo do Ensino Secundário 3012 e escola primária 3066, no município do Cazenga, um dos mais populosos de Luanda.

O ano lectivo de 2017 arrancou oficialmente a 01 de fevereiro, com quase 10 milhões de alunos nos vários níveis de ensino, decorrendo as aulas até 15 de dezembro.

Para Luanda, no presente ano lectivo, foi anunciada a contratação este ano de mil novos professores. Nesta província, o Sinprof refere contar com 16.534 filiados, num universo de 28.000 professores.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Colunistas