Connect with us

Sociedade

Antigo segurança de Kundi Paihama sobrevive de esmolas na província de Benguela

Published

on

Chama-se Simão Couve, tem 65 anos. Já foi um dos primeiros comandos da conhecida “Onças da Montanha”, fundado pelo comandante Armando José Augusto Mateus “Mandinho”, falecido em 2007, com a patente de brigadeiro.

Simão Couve diz ter sido um dos principais guarda-costas do falecido general Kundi Paihama, mas hoje, vive quase abandonado e a sobreviver de esmolas, nas ruas do município da Catumbela.

Em entrevista ao correspondente do Correio da Kianda na província de Benguela, Martinho Miguel, o antigo militar que fez parte do batalhão independente, conhecido como “Onças da Montanha”, revelou ter sido, para além de um dos principais guarda-costas do falecido general Kundi Paihama, também funcionário da Procuradoria-Geral da República, em terras de Ombaka.

Afirma ter documentos que atestam a sua passagem como funcionário daquele referido órgão de justiça, em Benguela, e também da sua desmobilização enquanto militar, em 1987. Os nomes de Dino Matross, Kundi Paihama e Mazemba são os que, de forma nostálgica, mais se recorda, como sendo os comandantes com quem trabalhou, nos anos 80.

Abandonado pelos familiares e atirado à sua sorte, Simão Couve, hoje com 67 anos, debilitado e com uma ferida grande na perna, levanta-se todos os dias, deambulando nas ruas da Catumbela à procura de recipientes plásticos, como bidões vazios para poder revender e assim sobreviver.

A viver sobre fortes dificuldades, afirma nunca ter visto algum subsídio de pensão, pelo qual andou a ser descontado durante os anos que pelo Estado trabalhou, por isso clama por apoio de entidades de direito.

“Fui desmobilizado em 1987.  E já trabalhei na Procuradoria, junto do Tribunal de Benguela. Mas hoje sobrevivo de apanhar latas para poder vender. Se alguém quiser me ajudar, pode me encontrar na Catumbela, na zona da União, é lá onde fico todos os dias”, lamentou.

Por: Dumbo António