Conecte-se agora

País

Angosat-1 desapareceu há um ano

Redação

Publicados

on

angosat-1 desapareceu há um ano - Angosat - Angosat-1 desapareceu há um ano

No dia 26 de Dezembro, o que acabava de ser comemorado como o primeiro grande passo de Angola em direcção ao mundo tecnológico dava lugar à apreensão. O Angosat-1, o primeiro satélite angolano, colocado em órbita a partir do cosmódromo Baikonur, no Cazaquistão (Rússia), perdia contacto, momentos após o lançamento.

Da manhã de 27 de Dezembro até à noite do dia seguinte, os especialistas tentam restaurar a conexão com o satélite em órbita. A empresa russa RKK Energia, que liderou o consórcio que construiu o aparelho, admitia interrupção “temporária, com perda de telemetria”.

Na capital russa, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, desvalorizava os cenários criados no sentido de um eventual prejuízo. “Não há razões para alarmes. É normal que haja preocupação, visto ser a primeira vez que Angola entra para o domínio espacial”, explicava o ministro, que integrava a comissão saída de Luanda para a cerimónia de lançamento do Angosat-1, no cosmódromo Baikonur.

O governante acabava de assistir na televisão, em Moscovo, ao acto de lançamento, não o tendo presenciado, “in loco”, por dificuldades de transportação.

“É normal que as pessoas estejam preocupadas e queiram ter acesso a informações concretas. Fomos informados, pela equipa que está na estação de Baykonour, que o satélite está na sua base orbital. Precisamos, agora, nas próximas 12 ou 14 horas, que os engenheiros possam concluir com exactidão o que se está a passar, com recurso à observação microscópica. Deste modo, será possível determinar que comandos enviar para o engenho”, esclareceu.

Entretanto, foi preciso aguardar até 23 de Abril, quatro meses depois, para o anúncio de uma notícia que quase todo o mundo já sabia ou pelo menos previa, desde o primeiro dia: o Angosat-1, que tornaria Angola no sétimo país africano a ter um satélite próprio de comunicações em órbita, estava inoperante. Da lista fazem parte apenas Argélia, África do Sul, Egipto, Marrocos, Nigéria e Tunísia.

Construído e lançado com um custo total de 320 milhões de dólares, para um tempo de vida útil de 15 anos, o Angosat1 surgia como uma oportunidade para expansão dos serviços de comunicação via satélite, acesso à Internet, rádio, telefonia e transmissão televisiva, já que conseguiria cobrir um terço do globo terrestre.

O Angosat-1 foi desenvolvido com base em três acordos. Um primeiro contrato de construção e lançamento, avaliado em 252 milhões de dólares (Só o satélite em si são 120 milhões de dólares e o lançamento impõe a construção de um veículo que o leva).

O outro contrato, de 50 milhões de dólares, para a construção do segmento terrestre, inclusive o Centro de Comando de Satélite da Funda, e um terceiro de 25 milhões de dólares, que permitiu alugar a posição orbital onde o dispositivo estaria durante 18 anos.

O Angosat-1, que começou a ser construído em 2012, teria 10 por cento dos serviços canalizados ao sector social, para permitir a educação à distância, telemedicina, além de mais de 80 por cento comercializada a nacionais e estrangeiros. A expectativa era enorme, principalmente, porque, a cada mês, as operadoras nacionais gastavam, em média, 15 a 20 milhões de dólares, comprando serviços de satélite a outros países. O satélite angolano possui um centro primário de controlo e missão em Angola, na comuna da Funda, em Luanda, e outro secundário na Rússia, em Korolev.

Antes do lançamento foi anunciado que a quase total capacidade do Angosat-1 estava negociada e que havia uma incidência em cinco sectores primordiais de ven-da de banda: telecomunicações, media, defesa e segurança, petrolíferas e nos de prestação de serviço, com realce para a última área.

As reservas são pagas num valor equivalente à primeira prestação, de modo a garantir a compra, daí existirem já reservas de Moçambique, Lesotho, Congo Brazzaville, Congo Democrático, Togo e uma negociação em curso com o Reino da Bélgica.

Em Abril deste ano, a Rússia pedia desculpas pelos transtornos causados pelo insucesso do Angosat-1, que registou “falhas técnicas” desde o lançamento, antes da confirmação oficial da inoperância. O Angosat-1 tem um seguro de 121 mi-lhões de dólares, que, em caso de acidente ou desaparecimento, cobre a totalidade dos custos da sua substituição.

Ao mesmo tempo, era anunciada a construção do Angosat-2, com previsão de lançamento para 2020. A Rússia atribuiu para Angola, sem qualquer custo, 216 Megahertz na Banda C e 216 Megaheartz na Banda Ku, para suportar todos os serviços necessários. A compensação vem colmatar os problemas verificados no Angosat-1, à luz do contrato que obriga a parte russa a assumi-las na totalidade, incluindo as reservas feitas pelos interessados na compra do sinal.

O Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação anunciou que a compensação tem sido usada para prestar os serviços que estavam previstos no Angosat-1, nomeadamente, aos organismos do Estado e 20 por cento da capacidade tem sido aplicada a causas sociais, como telemedicina, teleducação, Internet pública, projecto liga liga.

As capacidades estão também a ser utilizadas para a promoção e aplicação da telemedicina em hospitais públicos, a exemplo do que foi feito nas províncias do Huambo e Moxico. São também utilizadas na disponibilização de serviços de Internet em pontos públicos.

As capacidades disponibilizadas pela parte russa seriam também um elemento de pressão para pedir aos operadores para baixarem o custo dos serviços, o que acabou por não acontecer. O primeiro satélite angolano foi construído para garantir a comunicação e transmissão de televisão por todo o continente africano. Para as vendas do satélite, estavam reservados já 40 por cento para as operadoras, 10 por cento para os serviços de segurança e defesa nacionais e outros 10 por cento para acções sociais (como sectores da Educação e Saúde e pequenos negócios).

 

JA

Publicidade

Colunistas

Ana Margoso
Ana Margoso (9)

Jornalista

António Sacuvaia
António Sacuvaia (205)

Editor

Diavita Alexandre Jorge
Diavita Alexandre Jorge (8)

Politologo

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (11)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (12)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (50)

Jornalista

Victor Hugo Mendes
Victor Hugo Mendes (9)

Jornalista e Escritor

Walter Ferreira
Walter Ferreira (4)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

Publicação

© 2016 - 2018 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD