Connect with us

Economia

Angola retoma plantação de algodão na Baixa de Kassanje

Published

on

Angola começa, a partir de Janeiro do próximo ano, uma campanha de plantação de algodão, numa área de 4 mil hectares, na Baixa de Kassanje, com o objectivo de garantir a autossuficiência deste produto no país e evitar importações.

A informação foi hoje avançada pelo PCA da indústria Textang II, Jorge Amaral, que prevê, até ao final do ano, produzir 850 mil metros de tecidos por mês e aumentar para 370 o número de trabalhadores.

“O nosso objectivo é que em 2 anos a Textang seja autossuficiente em algodão produzido em Angola. Hoje já estamos a fazer 250 mil metros de tecidos, 180 trabalhadores, e para chegar, até ao final do ano, 850 mil metros por mês, 370 trabalhadores. Vamos começar a plantar algodão na Baixa de Kassanje já nesta campanha agrícola, em Janeiro. Já seleccionamos os primeiros 600 camponeses, vamos chegar a 1000 para produzir algodão em 4 mil hectares.”, informou aquando da visita do Presidente da República, João Lourenço, que efectuou a Textang II, onde garantiu, por outro lado, que todo algodão produzido em Angola será comprado pelas três indústrias têxteis que operam em Angola, nas províncias de Luanda, Benguela e Cuanza Norte.

Jorge Amaral adiantou igualmente que a produção da indústria já é consumida por 15 fábricas de confecção, entre elas,de fardas e uniformes, fruto do investimento de 55 milhões de dólares, dos quais 8 milhões de dólares foram aplicados na reabilitação de infraestruturas e equipamentos. “O investimento total entre a produção agrícola e a reactivação da fábrica são 55 milhões de dólares.

O objectivo é que a fábrica trabalhe 24h por dia. Estamos a importar da Nigéria e do Tchad, e na próxima semana chega o primeiro lote de algodão e sabemos que durante 2 anos vamos ter que importar até ter autossuficiência de algodão produzido em Angola. Já estamos a vender tecidos para mais de 15 fábricas de confecção em Angola”, finalizou.

Por Pedro Kididi

PR quer maior investimento na produção de algodão

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *