Connect with us

Politica

“Angola reconhece grandes desafios confrontados pela Somália”

Published

on

O embaixador de Angola na Etiópia e representante permanente junto da União Africana, Miguel Bembe, afirmou que o país reconhece os grandes desafios confrontados pela Somália e apoia fortemente o Plano Estratégico de Transição da União Africana na Somália 2024-2029.

Miguel Bembe, também representante de Angola na Comissão Económica das Nações Unidas para a África (UNECA), declarou que o Estado angolano está ciente de que as ameaças causadas pela organização terrorista Al-Shabaab ultrapassam as suas fronteiras físicas e a região em que está inserida, necessitando, por isso, de uma resposta colectiva.

“Qualquer abordagem da resposta sobre os desafios na Somália deve apostar na criação das capacidades internas, para que esteja à altura da apropriação do processo e de se defender no longo prazo”, disse o diplomata angolano no comunicado a qual o Correio da Kianda teve acesso.

Considerou ainda fundamental ter-se em conta a avaliação feita pelas missões anteriores, para melhor projectar a proposta em discussão.

O Al-Shabaab, também conhecido por Movimento de Resistência Popular na Terra das Duas Migrações, é um grupo terrorista e fundamentalista islâmico que atua primordialmente no sul da Somália.

Angola assumiu formalmente esta quarta-feira, 3 de Abril, o seu assento no Conselho de Paz e Segurança (CPS) da União Africana (UA) para o biénio 2024-2026.

O acto foi marcado pela colocação de um mastro com a bandeira de Angola à entrada do edifício Julius Nyerere, onde funciona o Conselho de Paz e Segurança, na sede da UA, em Adis Abeba.

Logo a seguir a esta cerimónia simbólica, o CPS reuniu com o Comissário da União Africana para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança, Bankole Adeoye, para analisar o plano estratégico para o período pós-Missão de Transição da União Africana na Somália (ATMIS).

A Gâmbia, por intermédio da embaixadora Jainaba Jagne, preside o Conselho de Paz e Segurança da União Africana este mês, enquanto Angola deverá assumir a presidência em Julho de 2024, ano em que o órgão comemora o seu vigésimo aniversário.