Connect with us

Politica

Angola quer recuperar relações com bancos correspondentes americanos

O sector financeiro angolano vê no Fórum de Negócios Estados Unidos – Angola uma oportunidade para recuperar as relações com os bancos correspondentes americanos.

Published

on

A intenção é relançar a parceria com os bancos correspondentes americanos e permitir transferências e conversões monetárias directas com as instituições financeiras angolanas.

O resultado esperado é que por via dessa ligação os bancos angolanos, fruto de um contrato, tenham acesso “directo” à moeda americana, o que vai permitir uma maior injecção de dólares no mercado angolano.

Segundo o presidente da American Chamber of Comerce in Angola (Amcham – Angola), Pedro Godinho Domingos, o objectivo é mobilizar os bancos americanos que tenham condições de jogar esse papel.

A menos de oito anos, os bancos americanos que funcionavam como correspondentes dos angolanos deixaram de o fazer, alegando falta de transparência nas operações.

Para recuperar a confiança dos americanos nesse ponto específico, Pedro Godinho Domingos acredita que as reformas empreendidas pelo Presidente da República, João Lourenço, tenham peso decisivo.

O Fórum de Negócios Estados Unidos-Angola é uma iniciativa da Câmara do Comércio dos Estados Unidos, com a parceria da Amcham – Angola.

A ideia dos organizadores é catalisar a atracção de investimentos para Angola, poucos meses depois do país ter aprovado uma nova Lei da Concorrência e do Investimento Privado.

Na abertura do fórum, que acontece segunda-feira (24), está prevista uma intervenção do Presidente da República, João Lourenço, que em Nova Iorque discursará na 73ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para o fórum de negócios, estão inscritas mais de 198 empresas ligadas aos sectores dos petróleos, da agricultura, energia, transportes, tecnologias de informação, saúde e agro -negócio. Durante o encontro deverá ser lançado um guia do investidor, consubstanciado num livro com informações sobre o potencial económico de Angola.

C/ Angop

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *