Connect with us

Economia

Angola quer Botswana na Associação de Países Africanos Produtores de Diamantes

Published

on

Uma delegação angolana chefiada pelo ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, participou, nesta quinta-feira, 08, por videoconferência, na 7ª Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da Associação de Países Africanos Produtores de Diamantes (ADPA), para avaliar e tomar decisões sobre a gestão da organização.

Diamantino Azevedo considerou que a ADPA está perante uma crise multifacetada e profunda, cuja solução, na opinião de Angola, “passa pela tomada de decisão sobre a continuidade das reformas da organização, o encargo salarial dos funcionários da ADPA, a continuidade ou não do actual Secretariado e a estratégia a adoptar para que os membros honrem com as suas obrigações financeiras”.

“A República de Angola considera que a tomada de decisões sobre as questões que acabo de enumerar é fundamental para definirmos a nossa continuidade na ADPA”, reforçou o ministro no comunicado ao qual o Correio da Kianda teve acesso.

Na sequência, o Chefe da Delegação Angolana defendeu o asseguramento da filiação do Botswana, um dos principais produtores africanos de diamantes, à ADPA como “um desafio da associação”.

Caso sejam apuradas e implementadas medidas adequadas que permitam ultrapassar os constrangimentos apurados, o governante reiterou a vontade do Governo Angolano em continuar a albergar a sede da ADPA.

Durante os trabalhos, o Conselho de Ministros da Organização aprovou a cessação de mandato do então Secretário Gera, suspenso desde 2020, o angolano Edgar de Carvalho e a Namíbia procedeu a passagem de pastas da presidência da ADPA à Tanzânia.

Fizeram parte da delegação angolana o Secretário de Estado dos Recursos Minerais, Jânio Corrêa Victor, e os Membros do Comité de Peritos da ADPA em Angola.

São membros da ADPA Angola, Camarões, Congo, RDC, República da Guiné, Namíbia, Africa do Sul, Tanzânia, Togo, República Centro Africana, Mali, Zimbábue, Argélia, Mauritânia, Serra Leoa, Libéria, Costa do Marfim, Gana e Gabão.