Connect with us

Economia

Angola possui 80% da população em empregos informais

Published

on

Em Angola, a grande maioria das pessoas empregadas possuem emprego informal 80,8% (8 685 676 pessoas). A análise dos dados demonstrou que a taxa de emprego informal é bem maior na área rural que na área urbana (93,3% e 67,5%) respectivamente. A informação consta nos Indicadores de Emprego e Desemprego, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta semana.

De acordo com o documento em posse do Correio da Kianda, que faz referência aos dados colectados no quarto trimestre de 2020, a taxa de emprego informal no sector não agrícola na população com 15 ou mais anos foi de 59,9%. O grupo etário entre 15 e 24 anos, apresenta a taxa mais alta (77,1%) em relação a outros grupos etários. Comparativamente aos homens, as mulheres apresentam uma taxa significativamente superior (79,5% contra 43,7%).

Ainda de acordo com as estatísticas, Angola registou uma taxa de desemprego de 30,6% no quarto trimestre de 2020, valor inferior ao trimestre anterior, em que foi registado uma taxa de 34% de cidadãos desempregados no país.

A população empregada com 15 ou mais anos foi estimada em 10 749 488, ou seja, aumentou 6,3% relativamente ao trimestre anterior (mais 636 589 pessoas) e 8,3% em relação ao trimestre homólogo de 2019. A taxa de emprego situou-se em (62,8%) tendo-se verificado um aumento de 5,2% em relação ao trimestre anterior (59,7%) e um aumento de 4,1% relativamente ao trimestre homólogo (60,3%).

De acordo com o documento, a população economicamente activa com 15 ou mais anos, foi estimada em 15 497 110 pessoas, sendo 7 498 569 homens e 7 998 541 mulheres. A taxa de actividade da população com 15 ou mais anos foi estimada em 90,5% sendo dos homens (91,4%) mais elevada que a das mulheres (89,7%). A taxa de actividade na área rural foi superior à urbana, 94,1% e 88,1%, respectivamente.

Já a população empregada (10 749 488 pessoas), aumentou 6,3% (mais 636 589 pessoas) comparativamente ao trimestre anterior com 10 112 899 pessoas empregadas. A taxa de emprego aumentou em 3,1 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior.

Esta variação resultou principalmente de um aumento na taxa de emprego da área urbana (2,8) e rural (3,3) em relação ao trimestre anterior. As taxas de emprego dos homens e das mulheres aumentaram em relação ao terceiro trimestre de 2020 (2,7 e 3,5 pontos percentuais) respectivamente. A taxa de emprego dos jovens com 15-24 anos (37,9%), foi superior em 1,0% em relação ao trimestre anterior.

Os indicadores sobre o mercado de trabalho mostram algumas evidências marcadas pelo impacto da pandemia de covid-19. Segundo os dados divulgados pelo INE, na actual situação, pessoas nos trimestres anteriores classificadas como desempregadas e pessoas que efectivamente perderam os seus empregos devido à pandemia podem, neste trimestre, ser classificadas como inactivas.

“A não disponibilidade para começar a trabalhar, por motivos relacionados com a pandemia, pode levar ao acréscimo da população inactiva”, destaca o documento.