Connect with us

Politica

Angola perde incansável promotor da concórdia – Vice-Presidente da República

O Vice-Presidente da República de Angola, Bornito de Sousa, considerou, este domingo, que, com o falecimento de Almerindo Jaka Jamba, o país perde um incansável promotor da concórdia e harmonia entre os angolanos.

Published

on

O nacionalista, político, escritor e académico Almerindo Jaka Jamba faleceu na madrugada deste domingo, numa das unidades hospitalares da capital, Luanda, vítima de paragem cardíaca.

Numa mensagem de condolências endereçada à família do malogrado, Bornito de Sousa diz que recebeu a notícia com um “sentimento de profunda consternação”.

“Com este infausto acontecimento, Angola perde um dos seus filhos mais ilustres, intelectual de rara estirpe e incansável promotor da concórdia e harmonia entre os angolanos”, escreve o Vice-Presidente de Angola.

Bornito de Sousa acrescenta: “Nesta hora de dor, e em nome de Sua Excelência o Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, do Executivo  e no meu próprio, apresento condolências à família do malogrado, na esperança de que a sociedade valorize, na sua acção quotidiana, o legado do nacionalista que parte prematuramente”.

Antes, o Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, manifestara  igualmente a sua profunda consternação pela morte do deputado da bancada parlamentar da Unita Almerindo Jaka Jamba.

“Neste momento de dor, tristeza e luto venho em meu nome próprio, dos deputados e dos funcionários parlamentares exprimir as mais sentidas condolências e manifestar inteira solidariedade à família enlutada”, destaca  Fernando da Piedade numa mensagem dirigida à família enlutada .

Também reagindo à morte do deputado, o porta-voz do partido Unita, Alcides Sakala, comentou que desaparecimento físico do nacionalista, político e historiador Almerindo Jaka Jamba, deixa um “grande vazio” no seio da organização partidária.

Alcides Sakala recordou que o malogrado tinha uma visão muito profunda sobre a reconciliação nacional no país, e que deixa reflexões importantes que servirão de referência para a sociedade angolana, sobretudo reconciliada.

Por seu turno, o ministro da Comunicação Social, João Melo, recorda, na sua página no Twitter, que trabalhou com na Assembleia Nacional e na Academia de Letras de Angola com o malogrado, com quem fez uma “boa amizade”.

“Partilhamos algumas ideias e, quando imperioso, divergimos respeitosamente. Por isso, hoje é um dia triste para mim. Paz à sua alma”, escreveu João Melo.

Almerindo Jaka Jamba, 69 anos, nasceu a 21 de Março de 1949 e era deputado da UNITA, partido político angolano a que aderiu em 1972.
 
O malogrado era formado em Filosofia, pela Universidade Clássica de Lisboa, e ostentava, também, um Doutoramento em História.
 
Por força dos Acordos de Alvor, assinados em 1975, entre Portugal e os então movimentos de libertação angolanos (FNLA, MPLA e UNITA), ocuparia, no Governo de Transição, a pasta de secretário de Estado da Informação.
 
Foi vice-presidente da Assembleia Nacional (1997-2005) e embaixador na Missão Permanente de Angola junto do Organismo das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em Paris (2005- 2008).
 
No partido UNITA, já ocupou vários cargos de destaque, tais como os de secretário de Educação, Informação, dos Negócios Estrangeiros, da Cultura e Herança Africana.
 
Em 1992, foi nomeado como segundo vice-presidente da Assembleia Nacional e porta-voz do grupo parlamentar da UNITA.
 
Jaka Jamba fez parte da Comissão Constitucional de Angola, em representação do maior partido da oposição angolana.

 

(Com Angop)

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *