Connect with us

Economia

Angola gastou USD 1,7 mil milhões com importação de combustíveis

Redação

Published

on

Angola gastou, em 2019, para a importação de três milhões de toneladas métricas de combustíveis 1,7 mil milhões de dólares, informou hoje o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás.

Diamantino de Azevedo procedeu à apresentação da lei de autorização legislativa sobre incentivos fiscais, aduaneiros e administrativos para a construção da refinaria de Cabinda.

O diploma, que autoriza o Presidente da República conceder incentivos fiscais ao projecto de construção da refinaria de Cabinda, como a isenção, fixação e redução de impostos, taxas e encargos, foi aprovado por unanimidades pela Assembleia Nacional, com 163 votos a favor, nenhum contra e sem abstenções.

Na apresentação do documento, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás disse que o presidente João Lourenço poderá conceder incentivos fiscais e aduaneiros, nomeadamente mecanismos de aplicação de impostos de forma faseada, formas aceleradas de amortização e reintegração, despensa de retenção na fonte e estabelecimento de cláusulas de estabilidade fiscal.

Os incentivos previstos na Lei do Investimento Privado em vigor são insuficientes para tornar o investimento economicamente viável, frisou o ministro.

Diamantino de Azevedo salientou que embora Angola seja um país produtor de petróleo, o seu sector de refinação conta apenas com uma refinaria, com a capacidade de refinação de 65 mil barris de petróleo diário, que cobrem apenas cerca de 20% do consumo de derivados de petróleo no país.

O remanescente é importado, o que implica um dispêndio avultado de divisas, “que poderiam ser utilizadas em investimentos públicos e outras despesas”, vincou.

“Para verter o quadro actual e a despesa crescente, o executivo definiu uma estratégia de refinação, que comporta os seguintes eixos: construção da refinaria de Cabinda, construção da refinaria do Lobito, construção da refinaria do Soyo e a modernização e optimização da refinaria de Luanda”, referiu.

O projecto da refinaria de Cabinda, que prevê gerar cerca de 2.000 postos de trabalho, dos quais 400 directos, visa a construção e a operacionalização de uma refinaria com capacidade de produção de 65 mil barris de petróleo por dia, na comuna de Malembo, província de Cabinda.

Uma parceria entre a Sonangol, petrolífera estatal, através da sua subsidiária Sonaref SA, com 10%, e a GemCorp Trading, com 90%, conta com um investimento inicial estimado em 650 milhões de dólares (538,8 milhões de euros) para a fabricação e montagem dos equipamentos de refinação, que poderá chegar a 920 milhões de dólares (762,6 milhões de euros), com a construção e melhoria de infraestruturas, vias de acesso, estradas, reforço de pontes e instalações de suporte à actividade de refinação.

Na resposta aos deputados, Diamantino de Azevedo disse que a GemCorp não foi a vencedora do concurso público para a construção do projecto, mas a sua escolha aconteceu porque, passados cerca de um ano, o promotor escolhido não demonstrou capacidade para a sua efectivação.

“Então, tivemos que rescindir o contrato e como vimos que era preciso possivelmente mais um ano para um novo contrato, olhámos para todas as outras propostas que participaram no primeiro concurso e seleccionamos o actual promotor do projecto, que faz em consórcio com a Sonangol”, explicou.

O governante informou que a componente tecnológica do projecto está a ser construída em Houston, nos Estados Unidos da América, pela Vfuels, participando também uma outra empresa estrangeira, a libanesa Lambert, e empresas nacionais.

Segundo Diamantino de Azevedo, a GemCopr foi escolhida pela sua capacidade financeira e a sua experiência, comprovada com a conclusão neste momento de um projecto similar na Libéria.

O ministro sublinhou que a construção da refinaria de Cabinda ocorrerá em três fases, sendo que na primeira serão processados 30 mil barris de petróleo por dia, para produzir gasóleo e JET A1, enquanto que, na segunda fase, serão processados 60 mil barris e produzido gasóleo, gasolina e LPG, e na terceira fase, será adicionada uma unidade de processamento para permitir a transformação de fuel em gasóleo e gasolina.

“A concretização de iniciativas desta dimensão deve ter em atenção, que o investimento no sector de refinação é de capital intensivo, pouco atractivo e dependente da volatilidade do preço do petróleo no mercado internacional, daí a necessidade de adopção de medidas de incentivo fiscal, que garantam a economicidade do projecto e o retorno do investimento”, disse o ministro.

Também hoje a Assembleia Nacional aprovou as propostas de lei que revogam a Lei Orgânica da Organização e Funcionamento do Tribunal Constitucional, a Lei do Processo Constitucional, que altera a Lei das Custas Judiciais e Alçadas dos Tribunais, que altera a Lei do Investimento Privado, de delimitação da Actividade Económica e do Regime Geral da Actividade das Instituições Financeiras.

Por Lusa 

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (83)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (15)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania

© 2017 - 2020 Todos os direitos reservados a Correio Kianda. | Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.
Ficha Técnica - Estatuto Editorial RGPD