Connect with us

Economia

Angola e Bélgica organizam fórum de negócios para 2021

Published

on

Angola e o Reino da Bélgica poderão realizar um fórum de negócios já no próximo ano, com destaque para os domínios da indústria e do comércio, a margem das relações de amizade e cooperação que os dois países já mantêm há vários anos. O objectivo e melhorar o nível destas relações e elevá-las à excelência e com benefícios para as duas partes.

Essa pretensão foi manifestada, nesta quarta-feira, 09, pelo embaixador belga em Angola, Josef Smets, durante o encontro que manteve com o ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes.

A Bélgica considera Angola um parceiro estratégico em África e na região da SADC em particular, e por isso tem todo o interesse em aprofundar a cooperação com acções práticas que se reflictam nas economias dos dois países. Para tal, o diplomata manifestou o desejo de ver já constituído um grupo de trabalho para a formação de uma comissão bilateral mista que venha dinamizar e facilitar a interacção entre os dois países nos domínios da indústria e do comércio.

O volume das trocas comerciais entre os dois países foi igualmente abordado, em 2019 Angola exportou para a Bélgica, cerca de 400 milhões de euros essencialmente em diamantes e produtos agro industriais já a Bélgica, no mesmo período, exportou para Angola vença de 500 milhões de euros essencialmente em produtos químicos e material de apoio ao sector dos transportes.

Diversificar é a palavra de ordem do executivo angolano, por isso mesmo o Ministro Victor Fernandes aproveitou a ocasião para transmitir ao embaixador belga a abertura do país ao investimento estrangeiros diversificado tendo em conta o potencial que Angola possui em diversas áreas e também fruto do melhoramento do ambiente de  negócios decorrente das reformas em curso no pais.

O ministro ressaltou ainda que Angola tem muito a aproveitar do know-how belga em matéria de elaboração e gestão de negócios, nos mais variados níveis, o que seria uma mais valia para a capacitação dos empresários e empreendedores angolanos na condução dos seus projectos e na geração de emprego.

Victor Fernandes manifestou ainda o desejo de poder contar com a advocacia da Bélgica junto dos parceiros da união europeia em transmitir a realidade de uma nova Angola, comprometida com o desenvolvimento e o combate à corrupção e na busca de soluções conjuntas para se ultrapassarem os entraves que ainda limitam ou dificultam a exportação de certos produtos angolanos, especialmente no sector agrícola, para a União Europeia, supostamente pela não observância de certas regras como qualidade, calibragem, embalamento, normalização, etc, ao que o embaixador prometeu apoiar.

A Bélgica trouxe igualmente à mesa da conversa o assunto relacionado ao Decreto Presidencial 23/19, que tem sido alvo de pedido de esclarecimentos pelos parceiros internacionais junto da Organização Mundial do Comercial, incluindo a União Europeia, tendo na ocasião o Ministro Victor Fernandes reafirmado que o decreto não restringe nenhum tipo de importação, ressaltando no entanto que, o que está em curso no pais, é um esforço do executivo em diversificar a sua economia (sector não petrolífero) aumentado a capacidade de produção interna de vários produtos no quadro do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI). Segundo o Ministro, nenhum país sobrevive sem trocas comerciais, logo, é impossível não importar.

Ainda nesta audiência o Embaixador Josef Smets anunciou o retorno dos voos da Bruxells Arilines a Luanda, já em Fevereiro de 2012.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Advertisement

Colunistas

Daniel Sapateiro
Daniel Sapateiro (31)

Economista e Docente Universitário

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (27)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (91)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (23)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania