Connect with us

Economia

Angola começa produzir roupa dentro de dois anos para mercado interno e exportação

Published

on

Dentro de dois anos Angola vai passar a fabricar roupas diversas, na Zona Económica Especial Luanda-Bengo, para o mercado nacional e exportação. A garantia consta de um acordo assinado no fim da última semana pela ZEE, para ceder uma nave para instalação da fábrica.

Berta Rodrigues e Sá, directora geral e mentora do projecto, disse que as classes sociais vulneráveis serão prioridade no processo de contratação de mão de obra.

“É um projecto estruturante, inclusivo e sustentável. Sustentável porque temos parceiros […] e vai numa primeira fase empregar mil jovens, e no espaço de cinco anos vai ser acima de dois mil postos de trabalho, mas mais do que empregar jovens, nós vamos trazer para o país, a formação de novas competências e habilidades para os nossos jovens”, afirmou, Berta Rodrigues.

Disse ainda que nos próximos seis meses, parte da mão de obra a recrutar deverá ir aos países parceiros para o processo de capacitação técnica sobre o fabrico e o manuseio dos equipamentos.

Os futuros funcionários da fábrica deverão ser, sobretudo mulheres, com deficiências, zungueiras e mãe solteiras, para a sua inclusão no mercado formal de trabalho e promover a dignidade dessas classes sociais.

O projecto, de acordo com Berta Rodrigues, terá um custo global de cerca de 15 mil milhões de kwanzas é o montante destinado para a instalação da fábrica.

Questionado da origem da matéria prima, aquela responsável disse que numa primeira fase será importada, através dos seus parceiros no estrangeiro, com 80%, tendo garantiu que negociações estão estão a decorrer para que as fábricas da Textang forneçam os 20% de matéria prima.

A intenção, acrescentou, é que em menos de cinco anos a dependência de fornecedores estrangeiros de matéria prima reduza de 80% para 50%.

Já o Presidente do Conselho de Administração da Zona Económica Especial, Luanda-Bengo, Manuel Pedro, mostrou-se animado com o projecto de iniciativa privada, a julgar pelo número de novos postos de trabalho.

O PCA da ZEE disse que os novos postos de trabalho da futura fábrica de Roupa vão constar da bolsa de emprego da Zona Económica Especial, acessível para todos, através do website da instituição.