Connect with us

Politica

Angola apela forças especiais guineenses a libertarem Alpha Condé

Published

on

O Governo de Angola pronunciou-se esta segunda-feira, 6, perante a situação política que se vivencia na República da Guiné, dirigindo um apelo ao grupo de Forças Especiais daquele país a libertar incondicionalmente o Presidente Alpha Condé e a preservarem a sua integridade física, assim como insta ao pronto retorno à ordem constitucional, em salvaguarda da paz e da estabilidade do país da África Ocidental.

O comunicado de imprensa do Ministério das Relações Exteriores, que chegou à nossa redação, em que o Governo angolano manifesta, por conseguinte, a sua solidariedade ao povo guineense, cita que a “República de Angola tem estado a acompanhar com muita preocupação os acontecimentos ocorridos na República da Guiné, no dia 05 de Setembro de 2021, que culminaram com a detenção do Professor Alpha Condé, Presidente da República da Guiné, e a tomada do poder por um grupo de Forças Especiais”.

Face à gravidade dos factos, lê-se no documento, “a República de Angola condena esta tentativa de golpe de Estado”, um acto anti-democrático e inconstitucional, que viola os princípios das Declarações de Argel e de Lomé, da União Africana, de 1999 e 2000, sobre as mudanças inconstitucionais.

“A República de Angola apoia a Declaração Conjunta do Presidente em exercício da União Africana e do Presidente da Comissão da União Africana, bem como a Declaração do Presidente em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental –CEDEAO”, finaliza o comunicado.

Golpe na Guiné-Conacri: CEDEAO exige libertação “imediata” do presidente Alpha Condé