Connect with us

Economia

Angola antecipa pagamento de dívida ao governo brasileiro

Redação

Published

on

Com cinco anos de antecedência, o governo Angolano pagou, integralmente, os 589 milhões de dólares da dívida que ainda tinha com o governo brasileiro. De 2005 a 2017, o país  contraiu financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e com o Tesouro Nacional, que chegaram a somar  5 bilhões de dólares em anos recentes.

Em nota, o Ministério da Economia do Brasil informou que o saldo devedor foi integralmente quitado na última terça-feira (3). Ao todo, Brasil e Angola assinaram seis memorandos de entendimento para financiar exportações brasileiras. Em troca, o governo angolano dava os recursos de petróleo como contragarantias.

Por meio da linha de crédito Financiamento de Máquinas e Equipamentos (Finame), o BNDES financiou 84 operações em Angola, que somaram 4,4 bilhões de dólares. Os financiamentos foram garantidos pela União, por meio do Seguro de Crédito à Exportação, que seria acionado caso o país africano não conseguisse pagar a dívida.

O Tesouro Nacional destinou 628,5 milhões de dólares da linha do Programa de Financiamento às Exportações (Proex) para 37 operações em Angola. Operado pelo Banco do Brasil, o Proex permite que o exportador brasileiro receba à vista o valor da venda externa, enquanto o importador paga a compra num prazo maior.

O saldo devedor quitado pelo governo angolano chega a 581 milhões de dólares para as operações do BNDES e a US$ 8,3 milhões para as operações do Proex. A dívida só venceria em 2024.

C/ Angencia Brasil

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

Colunistas

Ladislau Neves Francisco
Ladislau Neves Francisco (23)

Politólogo - Comunicólogo - Msc. Finanças

Olivio N'kilumbo
Olivio N'kilumbo (21)

Politólogo

Vasco da Gama
Vasco da Gama (74)

Jornalista

Walter Ferreira
Walter Ferreira (14)

Coordenador da Plataforma Juvenil para a Cidadania