Connect with us

Sociedade

Agentes da polícia estão a “lucrar” com cidadãos sem máscaras

Published

on

Os relatos de cidadãos que denunciam uma suposta facturação por parte de agentes da polícia nos municípios de Viana, Kilamba Kiaxi e Talatona, têm sido recorrentes, tanto nas redes sociais, como em algumas estações de rádio da capital.

Na semana passada, moradores dos bairros da Robaldina, Sukupira, KM-28 e Capapinha,  todos em Viana, localidades radiografadas pela equipa de reportagem do Correio da Kianda, mostraram-se descontentes com o excesso de actuação da Polícia Nacional, chegando mesmo a acusar alguns agentes da Polícia em Viana, de estarem a enriquecer-se com os cidadãos que têm sido apanhados sem o uso de máscaras.

“Aqui no ‘trinta’ a polícia está a se aproveitar do decreto do Estado de Calamidade para fazer ‘candonga’ e facturarem. Mesmo que a máscara tiver só no queixo, se te verem, vão vir a tua atrás para te levarem e te pedirem dinheiro. Não estão a levar na esquadra”, revelou um dos moradores do KM-30, em Viana, ao Correio da Kianda.

Na zona da Robaldina-KM-9, e do Sukupira, ambos em Viana, dos oito cidadãos ouvidos em diferentes locais, sete foram unânimes, acusando a Polícia e incluindo agentes do SIC, de estarem a aproveitar-se do Decreto Presidencial sobre o Estado de Calamidade, para abusos de poder e facturação ilícita.

“Aqui no Sukupira, em vez da polícia estar a se preocupar com os gatunos e esses miúdos de grupo, agora o interesse são só as máscaras. Basta te virem sem máscaras, é suficiente para te prenderem, te meterem no carro, e te levarem no beco para pagar dinheiro”, denunciou um dos moradores do bairro Sukupira.

O relatório do Afrobarometer,  liderado pela Ovilongwa – Estudos de Opinião Pública, que entrevistou em 2019 em todo país 2.400 cidadãos angolanos adultos, entre 27 de Novembro e 27 de Dezembro do ano passado, aponta a Polícia  Nacional, como a instituição mais corrupta de Angola, seguido da Administração Pública, que também é apontada como tendo  funcionários públicos, com 67 e 66 por cento de pessoas corruptas.

Contactado pelo Correio da Kianda, um oficial da Polícia Nacional ligado ao Ministério do Interior, que não aceitou gravar entrevista, disse que a Polícia já está informada sobre o que vem ocorrendo, prometendo nos próximos dias uma reação.