Connect with us

Politica

Agentes da polícia acusados de travar caravana do presidente da UNITA

Published

on

Agentes da Polícia Nacional, na província do Bié, estão a ser acusados de travar, na madrugada desta segunda-feira, 03, a caravana do presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, quando a mesma se encontrava em direcção a aldeia de Lopitanga para comemorar mais um aniversário do líder e fundador histórico do Galo Negro, Jonas Savimbi.

O facto, segundo o presidente daquele partido, aconteceu na localidade de Andulo, próximo de Lopitanga.

De acordo com Adalberto Costa Júnior, a caravana da UNITA foi retida durante duas horas, tendo obrigado o presidente do partido do Galo Negro a intervir, chamando pelo comandante da zona, que não aceitou identificar-se, presumindo-se, fez saber Costa Júnior, tratar-se de cumprimento de uma suposta ordem superior por parte do referido comandante, que tem a patente de intendente.

A retenção da caravana da UNITA, segundo membros do partido ouvidos pelo Correio da Kianda, terá causado constrangimento no cronograma das actividades definidas para o dia, o que levou os militantes do Galo Negro, a qualificarem a atitude do efectivo da polícia, de excessiva e abusiva, pedindo responsabilização.

“Ontem de madrugada nós tivemos um incidente muito desagradável. Uma delegação de um presidente de um partido político, que até é conselheiro do Presidente da República, que também é deputado, que trás uma comitiva de dirigentes, com todos os papéis em dia, fomos retidos de madrugada, por um comandante, que depois mandei chamar, ficamos ali, duas horas e meia”, desabafou, em discurso na aldeia de Lopitanga.

Adalberto Costa Júnior, que considerou o acto do agente da polícia como de desrespeito, prometeu formalizar junto da Assembleia Nacional.

Entretanto, na tentativa de se obter algum esclarecimento em relação ao incidente relatado pelo presidente da UNITA, o Correio da Kianda tentou contactar o Ministério do Interior, de quem não tivemos uma resposta plausível.

 

“Jonas Savimbi merece o seu lugar na história de Angola”, diz general Numa

Colunistas