Connect with us

Mundo

Africa do Sul: chuvas provocam cerca de 400 mortos e deixam rasto de destruição

Published

on

Cerca de 400 pessoas morreram e cerca de 41 mil foram afectadas, na sequência das inundações provocadas pelas fortes chuvas, que assolam a África do Sul, há já 5 dias, de acordo com a RFI que cita o último balanço das autoridades sul-africanas, divulgado esta sexta-feira. As buscas por pessoas desaparecidas continua.

Casas e pontes, escolas e igrejas destruídas, ruas alagadas e intransitáveis, viaturas e contentores submersos, é o cenário que se vê em algumas cidades sul africanas, nesta sexta-feira, apois cinco dias de intensas chuvas.

O balanço preliminar do governo sul africano, divulgado na tarde desta sexta-feira, dá conta da morte de 395 pessoa e um vasto rasto de destruição na zona do Kwazulo Natal, a leste do país, na sequência de fortes chuvas que se abatem sobre a região. O número de afectada é estimado em 41 mil pessoas, numa altura em que as previsões meteorológicas apontam para a probabilidade de mais chuvas a partir desta sexta-feira.

Many de Freitas, político do partido Aliança Democrática, relata que “a costa do Kwazulu Natal, uma das nossas províncias está a ser afectada. Muitas pessoas já perderam as suas casas e as suas propriedades porque a tempestade é muito forte e difícil. Algumas pessoas já perderam as suas vidas e, por exemplo, temos os nossos vereadores que há vários dias não dormem e estão a trabalhar para ajudar as comunidades”.




Neste momento, de acordo com o político, a principal preocupação é encontrar locais “para as pessoas dormirem”, ja que quase toda a região está devastada.

“Por enquanto, há muitas casas destruídas, estradas e então, devemos recolher as pessoas. É uma situação difícil, mas nos dois últimos dias não houve muita chuva e isso é um alívio para nós porque podemos ajudar as populações daquela zona. Por enquanto, precisamos de qualquer tipo de ajuda possível”, explicou Many de Freitas.

Romain Chanson deslocou-se a um bairro de lata, Clermont, no norte de Durban. Simo Nzama é militante associativo. Ele conta como uma igreja acabou por desabar em cima do telhado de uma casa, o que culminou na morte de quatro pessoas.

“Tudo começou no domingo, por volta das 9h com fortes chuvas que acabaram por danificar a estrutura da igreja. Esta acabou por desabar em cima da casa, onde se encontravam as 4 crianças. As pessoas continuam a limpar a lama, ficaram sem mobília, sem roupa, sem nada, o que mostra mesmo o quão elas foram afectadas”, relatou Simo Nzama.