Connect with us

Sociedade

África do Sul: angolanos na diáspora analisam desenvolvimento do país em simpósio

Published

on

A comunidade de angolanos residentes na República da África do Sul realizou, nesta quarta-feira, 11, um simpósio sobre o Dia da Independência Nacional assinado nesta quarta-feira e que esteve subordinado ao Tema Independência, liberdades, desafios e lutas pelo desenvolvimento sustentável.

Realizado em formato de vídeo-conferência o evento contou com as participações do Jornalista e activista dos Direitos Humanos, José Gama, e do empresário Adão Queta, na qualidade de presidente da união dos angolanos residentes na África do Sul (USANA).

No seu discurso, a embaixadora de Angola na África do Sul, Filomena Delgado, destacou o espírito de conquista e harmonia dos angolanos para a construção da paz e desenvolvimento sustentável, tendo referido que apesar dos avanços e recuos, o país tem uma Constituição que respeita o exercício da cidadania e de uma democracia eficiente.

A embaixadora Filomena Delgado considerou os direitos sociais, económicos e jurídicos fundamentados na Lei Mãe, como instrumentos que honram a memória dos pais da independência nacional.

Para o activista dos Direitos Humanos e director do portal Club-K, José Gama, que abordou o percurso do país nos últimos 45 anos, o 11 de Novembro representa o evento político mais importante de Angola nos últimos 500 anos por devolver a liberdade, a dignidade, a autodeterminação e a cidadania aos angolanos. Já o empresário Adão Queta que falou dos desafios e do desenvolvimento sustentável, a guerra condicionou sobremaneira o crescimento socioeconómico do país. “Hoje já sentimos um clima de negócios favorável e precisamos de encurtar a diferença entre o Produto Interno Bruto-PIB e os indicadores de Desenvolvimento Humano”, alertou o empresário.

Segundo uma nota de imprensa da embaixada de Angola na África do Sul, enviada ao Correio da Kianda, participaram do eventos, angolanos de vários países como Portugal, que debitaram suas ideias e sugestões sobre a necessidade do investimento e valorização do capital humano, do relançamento das Escolas de Artes e Ofícios, a municipalização dos serviços de saúde pública, a aposta no turismo em grande escala, a promoção de campanhas de mobilização geral sobre o respeito às leis, a protecção à criança, o desemprego na juventude, a redução das assimetrias regionais e a importância do combate à corrupção ter uma única entidade credível e comprometida.

A nota informa ainda que a embaixada de Angola na África do Sul tem agendada para o próximo final de semana, outro evento, de carácter gastronómico, em Joanesburgo, com vista a exaltar e afirmar a angolanidade, para os cidadãos nacionais relembrarem os hábitos e costumes da terra natal através da musica e da gastronomia.

O momento denominado “Tarde de Kitutes” será marcado pela exposição e consumo da gastronomia angolana, música ao vivo para promover jovens talentos e visa marcar as celebrações do 11 de Novembro, dia da independência nacional.