Connect with us

Sociedade

ADRA promove seminário sobre Ciclo de Políticas Públicas e Boas Práticas de Transparência

Published

on

Cerca de 30 activistas, dos municípios do Cazenga e Kilamba Kiaxi, beneficiariam de uma formação sobre Ciclo de Políticas Públicas e Boas Práticas de Transparência, que decorreu na Mediateca 28 de Agosto, situada no Largo das Escolas, em Luanda.

A formação que decorreu esta segunda-feira, 17, teve a duração de oito horas.

A coordenadora Nacional do Projecto Monitoria de Políticas Públicas e Desenvolvimento Local da ADRA, Leonarda Inguila, disse que a temática ligada ao Ciclo de Políticas Públicas e Boas Práticas de Transparência é extremamente importante para promoção da gestão participativa na construção de um Estado Democrático e de Direito.

Neste sentido, acrescenta ainda a também assistente de comunicação, o processo de política pública é um sistema dinâmico, contínuo, complexo e interactivo, através do qual, os problemas públicos são identificados e combatidos através da criação de novas abordagens ou da reforma da abordagem existente, a fim de promover a governação participativa, permitindo a participação directa dos cidadãos na gestão das finanças públicas.

Durante as sessões formativas, os activistas, manifestaram a sua satisfação por serem reforçados os conhecimentos sobre Ciclo de Políticas Públicas e Boas Práticas de Transparência e os mecanismos monitoramento na gestão pública.

O Formador Gonçalo Texeira considerou que o processo de transparência começa a funcionar quando os munícipes são capacitados sobre o processo de monitoria de políticas públicas, são ferramentas chaves para que cada munícipe saiba o orçamento do seu município e conheça o plano de execução daquilo que está cabimentado anualmente.

O seminário promovido pela ADRA– Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente, enquadra-se nas acções do projecto Monitoria de Impacto de Políticas Públicas de Desenvolvimento Local , está a ser implementada em 11 municípios das províncias de Benguela, Huíla, Malanje, Benguela e Luanda, tem a duração de três anos e beneficia dois mil e 505 mulheres e de igual modo, dois mil e 339 homens, e é financiado pela organização Alemã Pão para o Mundo.